Singularity – Capítulo 20

 

Capítulo 20 – Lobo Matriculado

Eu mantive a capota baixada quase até chegar em Pittsburgh, mas eu tive que fechá-la por causa da chuva logo antes de chegar à cidade. Chuva era o que eu queria, é claro. Andar pelo campus seria bem mais fácil se eu não brilhasse.

Pittsburgh não era o tipo de lugar que eu teria considerado viver, mas era um bom lugar para começar. Eu passei por esse estado tantas vezes que eu conhecia o lugar muito bem, e eu gostava das estradas cheias de curvas e da adorável região rural, mas não a cidade imunda. Depois de encontrar um pequeno motel, eu fui caçar para me saciar. Eu não queria ficar entre tantos humanos estando com sede. Durante minhas viagens, eu perdi muito a prática de estar entre humanos por longos períodos de tempo.

De barriga cheia ao ponto de explodir e em um novo conjunto de roupas que eu esperava que me fizesse parecer uma estudante recém-formada do colegial, eu segui para o campus da Universidade de Pittsburgh para olhar como me tornar uma estudante de universidade. Eu estava excepcionalmente nervosa e muito animada. Eu nunca estive em uma sala de aula, desde que eu me lembre, e eu não tinha absolutamente nenhuma idéia do que esperar.

Aqui, eu seria Alice Stoker.

Recentemente eu li Drácula, uma das histórias mais engraçadas que já foram escritas, e eu queria homenagear o autor, Bram Stoker. Era como se fosse minha própria piadinha negra, e um aviso gentil à todos que ouviriam.

“Olá, senhorita. Como posso te ajudar?” Perguntou a jovem animada atrás da mesa no escritório de admissões.

Eu sorri meu sorrisinho pequeno, sem mostrar os dentes, e disse o mais educadamente que pude, “Eu gostaria de falar com alguém sobre me tornar uma estudante daqui. “

“Por favor, preencha nosso registro e sente-se, e eu vou chamar alguém para falar com você, ” ela respondeu. Ela era muito agradável e muito boa no seu trabalho. Ainda assim, ela recuou um pouco quando eu cheguei perto dela para assinar o livro de registros e me sentar.

Como eu vou me sentar em uma sala com estudantes se eu não posso nem mesmo me aproximar de uma recepcionista?

Meus sentimentos de inquietação cresceram consideravelmente quando eu me sentei na cadeira dura, esperando por assistência. Quando eu ouvi meu nome chamado por uma profunda voz masculina, eu estava à ponto de me atirar para fora da porta.

O homem que me chamou parecia que tinha sido empurrado por um rolo compressor até que ele ficasse tão alto e magro quanto um macarrão. A única parte dele que tinha qualquer espessura era o nariz. Ele tinha o maior nariz que eu já vi em qualquer rosto humano. Preso na face de um homem tão magro e bi-dimensional que fazia ele parecer um gavião. Esse efeito não me acalmou.

Eu me sentei em uma cadeira que era muito grande para mim, enquanto ele examinava a falsa certidão de nascimento e o histórico que eu trouxe. Ele parecia ainda mais com algum tipo de urubu enquanto circulava o seu nariz enorme em qualquer que fosse a informação que ele estivesse lendo.

Eu me senti como uma criança pequena na grande cadeira de couro, e tentei manter a compostura durante o longo silêncio enquanto ele examinava devagar os papéis. Não, não uma criança, um coelho lerdo, facilmente capturado por um grande caçador.

“Bem, senhorita Stoker, não é? Tudo parece estar em ordem, porque você escolheu a nossa escola para estudar?” Ele perguntou enquanto entrelaçava as mãos e olhava intensamente para mim.

Oh, as razões normais. Eu preciso encontrar meu companheiro vampiro e esse é um lugar tão bom quanto qualquer outro para começar.

“Eu queria sair de Nova York, mas não para ficar tão longe de casa. Você sabe, esticar um pouco as asas, mas sem sair de perto do ninho, ” eu disse enquanto percebia me assustando que eu tinha escolhido uma comparação com pássaros. Eu aposto que ele já ouviu muitas dessas.

“Você tem alguma idéia do que você gostaria de estudar?” ele perguntou. Ele parecia estar seguindo um roteiro, e não interessado nas minhas respostas, o que era uma coisa muito boa.

“Eu estou interessada em arte e design, ” eu disse rapidamente.

“Essas áreas tem muito poucos empregos disponíveis agora. Talvez você possa desejar cursos de secretária, ou na área de ensino. Você se saiu muito bem em ciência, então talvez você pense sobre enfermagem. Essas são habilidades muito mais empregáveis. “

“Eu sei que artistas estão passando por um período difícil, mas eu amo arte e design e não consigo me imaginar em nenhuma outra profissão, ” eu disse sinceramente. Minha mente passou por cima da idéia de eu ser professora ou, ainda pior, uma enfermeira, e eu estremeci com o possível efeito disso. Talvez ler o livro o Drácula antes de vir aqui não tenha sido uma idéia muito boa.

“Ahh, eu vejo, uma mente inquieta e um espírito livre, certo?” ele perguntou.

Você não faz idéia.

“Sim senhor, é isso. “

“Você acha que terá problemas em estar longe de casa pela primeira vez?”

Eu quase ri. “Não senhor, isso não será um problema de forma alguma. “

“Bem, você vai precisar ficar nos dormitórios, então isso vai contribuir para amenizar sua solidão, é claro. Você já conhece alguém aqui?”

Dormitórios?

Eu não fazia idéia de que eu teria que ficar em um dormitório. Visões do livro de Bram Stoker encheram minha mente. Não, isso era pior do que Bram Stoker, isso era mais como um dos livros sinistros de ficção que eu gostava tanto. Vampiro se deixa perder em um domitório cheio de garotas inocentes; sim, isso era a realização de um livro muito bom, ou até mesmo um filme.

Isso também era minha realidade. Se eu tivesse que viver em um prédio cheio de garotas, eu iria matar alguém. Não, eu iria matar muitos ‘alguéns’.

“Eu tenho uma tia aqui com quem eu iria viver, ” eu disse enquanto tentava rapidamente escapar de viver no filme de terror que estava se formando na minha mente. “Há alguma forma de eu ainda poder ficar com ela?”

“Se seus pais desejam dessa forma, nós podemos permitir calouros a viverem com seus parentes, mas você deve nos fornecer um bilhete deles, e nós precisamos do endereço da sua tia. Ela também vai precisar nos dar algum tipo de comunicado escrito de que ela vai abrigar você. Você pode mandar isso junto com seu requerimento completo, ” ele falou enquanto riscava os documentos necessários.

Eu relaxei. Isso poderia funcionar afinal. Se esse homem parecido com um urubu podia sentar na minha frente e calmamente discutir minha presença na escola dele, então talvez eu poderia de fato pegar um diploma em qualquer coisa que eu escolhesse, exceto medicina e ensino.

Como Carlisle fazia isso?

“Bem, senhorita Stoker, parece que você seria uma excelente aluna para nós. Apenas preencha o requerimento cuidadosamente e envie as cartas mostrando que você vai viver com um parente adulto, e eu acho que ficaremos contentes em te ver no próximo outono, ” ele disse sorrindo por fim. Era quase cômico ver a fina boca sorrir por baixo do nariz enorme, mas eu estava grata à ele por pelo menos considerar sorrir.

Eu rapidamente dei um aperto de mão e seu sorriso sumiu.

“Desculpe-me pelas minhas mãos frias. Você sabe o que dizem, ‘Mãos frias, coração quente. ‘ Muito obrigada pelo seu tempo, ” Eu gaguejei enquanto corria para fora da sala.

Que tipo de idiota inventou esse ditado afinal?

No início da noite eu já estava com o requerimento e a experiência preenchidos. Eu iria falar com Mai-Li para escrever as outras duas notas; ela era muito boa nesse tipo de coisa. Eu passei a noite toda olhando pela janela de todos os cafés, restaurantes e bares que eu pude encontrar. Havia um número ridículo deles aqui, mas vários tinham fechado durante a depressão. Nenhum deles tinha as paredes amarelas que eu precisava.

Eu sabia que era uma possibilidade distante. A visão era muito incerta, muito nublada para acontecer logo, e meu coração silencioso doía enquanto eu admitia isso para mim mesma. Levaria um tempo até eu encontrar Jasper, e minha solidão nesse novo lugar era familiar e nítida para mim, como se eu pudesse eliminar isso do ar. Como podia machucar tanto estar sozinha?

Eu estava contente, ainda assim, que eu iria à escola, porque eu sabia que eu precisaria de toda a distração que eu conseguisse. Ele estava tão perto, e ainda assim um mundo distante. Eu estava melancólica enquanto seguia meu caminho para o motel ao amanhecer.

Estaria ensolarado até por volta do meio dia, e então eu iria sair de novo e talvez tentar encontrar uma casa para alugar ou comprar. Isso deve ser fácil. Havia muitas casas vazias aqui, como em Nova York.

Eu passei a manhã ensolarada tentando ver Jasper novamente, mas tudo o que eu podia ver eram imagens nubladas dele se escondendo do sol e andando no escuro, nada substancial ou útil. Era bom ver seu rosto, ainda assim. Eu precisava vê-lo como um alcoólatra precisa da sua bebida. Eu não gostava da analogia, mas era precisa o suficiente. Eu sabia que não era saudável para mim precisar tanto de um homem nebuloso em uma visão imperfeita, mas eu não conseguia evitar. Meu corpo inteiro doía por ele. Quando o sol se escondeu atrás das nuvens espessas de uma tempestade que estava chegando, eu estava pronta para sair do quarto e fazer qualquer outra coisa.

Eu andei pelas ruas procurando duas coisas agora, uma casa para alugar e um restaurante. Eu andei metade da cidade e encontrei a casa, mas não o restaurante.

Era uma casa pequena de dois quartos construída por volta da virada do século e que precisava muito de uma pintura. Parecia ser a casa perfeita para uma tia solteirona viver, com sua varanda grande e janelas altas e finas. O dono estava excitado de me encontrar no dia de vê-la.

“Olá olá, ” ele sorria largamente enquanto se aproximava. “Eu estou tão feliz de conhecer você. “

“Olá, eu sou Alice Stoker, ” eu disse enquanto estendia a mão com uma luva, para apertar a dele. Nevou, e minhas mãos estavam igual gelo.

“Bem, você é bastante jovem, não é?” Ele perguntou direto. Ele obviamente não queria alugar para alguém muito jovem para pagar.

“Eu tenho vinte e dois, ” eu respondi, “e eu vou à escola aqui. Meus pais são um tanto ricos e querem que eu tenha minha própria casa. Eu tenho dinheiro aqui que vai cobrir o depósito e o aluguel do primeiro mês, se eu gostar do lugar. “

“Oh, entendo, ” ele disse muito mais tranquilo. “Bem, posso te mostrar o lugar? Está um pouco decaído, mas é bem construído e perto da universidade para você. Uma pequena pintura e um trabalhinho, e esse lugar vai estar tão bom quanto novo. “  Ele se atrapalhou enquanto abria a porta para me deixar entrar na casa velha e mofada.

Não parecia estar em boa conservação, mas tudo era antigo na casa. Eu não podia me importar menos com a cozinha e os banheiros, mas eu decidi que precisaria de reforma na banheira pelo menos. A casa também precisava de nova pintura e novo carpete. Como eu imaginei, eu comecei a ficar animada com a possibilidade de decorar minha própria casa por uma vez. Essa era a primeira vez que eu viveria sozinha. A localização era perfeita, apenas meia milha da escola e situada em uma rua extremamente sombreada. As árvores eram tão grossas que eu não teria problema em andar ou dirigir pela rua em um dia claro. Eu assinei a locação no lugar.

Eu saí naquela noite para voltar à Nova York e me preparar para sair da minha semi-casa de quinze anos. Eu iria voltar, é claro, para checar a casa e meus amigos, mas eu não me arrependia de ir embora. Era hora de eu conhecer novos lugares e novos amigos. Eu imaginei que vampiros viviam em Pittsburgh, se houvesse algum. Bem, eu iria descobrir.

“Eu não posso acreditar que você está nos deixando também, ” suspirou uma Lena muito triste. Ela, Ivan e Vasily estavam com os outros vampiros na casa de Annette, se preparando para sair antes de um amanhecer muito ensolarado. Eu dei uma festa para mim mesma, uma festa de despedida. Nós dançamos, fomos a um show da Broadway, e corremos pela cidade. Celebrar a vida era meu maior dom, então eu tentei dizer esse adeus direito, e eu sabia que o clã do Paul não iria se importar. Se Annette estivesse aqui, ela mesma daria a festa.

“E eu não posso acreditar o quanto nós vamos sentir a sua falta, ” concordou Mai-Li. “Tem sido tão difícil ter vocês longe, e agora você está indo embora para sempre. Você não faz idéia do quanto Nova York é mais animada com você aqui, Alice. Nós estamos perdendo nossa família, ” ela adicionou melancólica.

Ela estava forçando um pouco a definição de família, mas eu podia ver como isso deveria ser para ela. Sem mim, Nova York teria agora 9 vampiros apenas, e nenhum deles sabia como dar uma festa decente. Os dias de glória dos clãs de Nova York pareciam estar no fim até que Paul retornasse.

“Não importa onde você vá, você vai sempre ter um lar conosco aqui, ” disse Chi-Yang com uma emoção que fez a solidão crescente doer muito mais.

“Eu vou voltar de vez em quando e checar tudo, ” eu disse tentando tranquilizá-los. “Eu não posso ficar muito longe da capital da moda da América do Norte, posso?” Eu realmente não podia.

“Nós tínhamos tantas esperanças de que você decidiria ficar conosco depois de todas as suas viagens, mas você parece nunca ficar no mesmo lugar por muito tempo, ” disse Hugh. Ele não era muito aventureiro. “Seria mais fácil para você se você parasse de lidar tanto com humanos. Eles são mais problema do que valem à pena. Agora, me diga de novo uma última vez, porque você vai estudar?”

Eu ri. Nenhum dos outros podiam compreender porque eu iria à escola. A idéia de estar cercado por tantos humanos sem nenhuma razão além de aprender coisas inúteis era totalmente inacreditável para eles. Você iria pensar que eles se acostumaram comigo fazendo as coisas do jeito errado de um vampiro.

“Você deveria ter mais respeito pela sua comida. Dê uma olhada nos meus olhos. Eu pareço achar que humanos são problemáticos?” Eu me opus.

Logo antes do amanhecer, os vampiros foram para casa, e cada um me abraçou enquanto saíam.

 

Eu coloquei coisas no meu carro uma última vez enquanto o sol brilhava no mundo fora da casa. A cidade não mantinha nada para mim, além de lojas maravilhosas e a Wall Street. Eu passei todos os dias nublados desde então voltando a comprar roupas ou trabalhando nas ações, e eu passei todas as noites procurando pelo restaurante ou por animais. Eu sabia que não havia lugar em Nova York ou em New Jersey que tinha paredes amarelas, cortinas xadrez e um cozinheiro chamado Marty. Cinco restaurantes tinham as cortinas, e eu quase atravessei as janelas de cada um deles para ver suas paredes. Sete tinham paredes amarelas, mas nenhum era a cor certa, audaciosa do amarelo que gritava da minha visão. Eu iria voltar para checar, é claro, mas eu tinha certeza que o restaurante em que o Jasper iria entrar não estaria em nenhum lugar em Nova York.

A casa velha parecia quase nova quando eu cheguei de carro. Os pintores que eu contratei fizeram um trabalho adorável pintando ela no branco tradicional e o verde elegante que eu tinha escolhido. Eu escolheria algo menos tradicional, mas eu deveria viver aqui com a minha suposta velha tia Dorothy.

Mai-Li fez um trabalho brilhante com as duas cartas que me deram permissão para viver fora do campus. Ela fez parecer como se eu fosse um ‘presente de Deus’ para minha velha, deficiente e solteirona “tia. ” Assim como minha “mãe”, ela ficou lisonjeada com meu coração gentil e senso de responsabilidade que me levaram a escolher cuidar de uma velha mulher ao invés de viver uma vida desregrada e livre em um dormitório. Quando ela terminou, eu tive certeza de que a universidade jamais me forçaria a viver longe da minha “tia. ” Ela fez isso tão carregado que eu provavelmente poderia ter me inscrito em um convento.

O interior da casa não estava mais mofado ou sujo. Eu voltei duas vezes desde que a aluguei e gastei quase todo o meu tempo esfregando cada centímetro da casa com produtos muito fortes para que ficasse totalmente sem manchas. Eu já tinha a tinta que eu precisava, então eu passaria os próximos dias pintando enquanto o sol estivesse brilhando do lado de fora. O encanador já esteve na casa e eu não precisava de uma nova banheira depois de tudo. As camadas de sujeira saíram e revelaram uma adorável banheira em um estado impecável. Ela era muito comprida, e eu podia deitar e me esticar totalmente. Eu adorava banhos de espuma.

Minha cozinha era do mesmo amarelo claro do café das minhas visões, com cortinas vermelhas. Eu as escolhi em esperança de um pouco de boa sorte. Minha sala de estar era um verde limpo, com cortinas florais e mobília Queen Anne, que eu encontrei em um bazar. Meu quarto era um adorável azul bebê, e o outro era um laranja suave. Meu banheiro era muito rosa, é claro. Que outras cores haviam para banheiros?

Eu tinha os três meses de verão para passar me preparando para a escola e me acostumando com a nova cidade. Eu não conhecia nenhum residente vampiro em Pittsburgh, mas a cidade era muito grande, então eu sabia que devia haver alguns por aqui. Ainda assim, eu nunca passei por nenhum cheiro enquanto vagava pelas ruas à noite olhando pelas janelas. Se alguém de Nova York soubesse o quanto Pittsburgh era devastada, eles iram se mudar para cá instantaneamente.

Mas era perfeito para mim ainda assim. Eu gostava muito de estar entre humanos, até demais para o meu próprio bem.

Ou deles.

Agosto chegou muito rápido, e estava muito ensolarado. No dia de matrícula, eu tive que invadir o prédio antes de amanhecer e não poderia sair antes do crepúsculo. Não era grande coisa, realmente, mas meus nervos estavam carregados, e eu não precisava ficar presa no prédio o dia todo se alguma coisa ruim acontecesse. Eu já me sentia mal por desconectar o aquecedor para entrar.

Uma vez dentro, eu me sentei em um banco e comecei a ler um livro com a coleção dos trabalhos de Jane Austen. Era muito diferente dos livros ocidentais e das ficções de horror que eu costumava gostar. Na verdade, era comparativamente chato e muito meloso seu enredo. De qualquer forma, explicava os aspectos do clã do Paul que eu não tinha entendido bem. Eles estavam todos presos em um padrão de como falar e se comportar, dos séculos anteriores. Os maneirismos caprichosos nos livros da Austen serviam perfeitamente para o clã do Paul.

Eu tentei ver o clã do Paul novamente. Por meses, eles permaneceram nos trópicos, em algum lugar do Pacífico Sul, eu acho, mas a última visão que eu tive deles me mostrou que eles estavam agora em uma ampla planície que estava com neve. A visão que veio mostrou um labirinto de construções de tijolos enfumaçados, com meus amigos correndo entre eles à noite. Meu coração afundou em seu buraco morto. Eu ainda não fazia idéia de onde eles estavam, mas parecia que eles de fato escolheram se alimentar fora dos campos de batalha. Eu sabia, por conversar com outros, que vampiros infestavam campos de batalha e ficavam cada vez mais gulosos com os feridos, mas a idéia de meus amigos fazendo isso tantas vezes era tão doentia quanto preocupante. Vampiros em campos de batalha eram inacreditavelmente violentos e territoriais enquanto se alimentavam.

Eu suspirei e tentei melhorar meu humor porque eu não precisava estar entre humanos me sentindo assim.

A primeira pessoa a chegar foi uma grande mulher com cabelos vermelho claro puxado em um coque apertado. Apreciei seus olhos verde, enquanto eu me sentava no banco parecendo aterrorizada.

“Olá, ” ela chamou de uma maneira muito amigável. “Você chegou aqui cedo, não? As matrículas começam daqui a uma hora, então, porque você não vai tomar café da manhã no sindicato estudantil e depois volta. Não há razão de esperar aqui sozinha. “

Eu sorri de volta e olhei para o sol batendo no pátio. Era toda a razão para eu esperar aqui sozinha.

 

“Eu estou bem, obrigada, ” eu disse, “estou tentando ler esse livro, então um pouco tempo sozinha é perfeito. “

“Oh? O que você está lendo?”

“Eu levantei o livro e disse à ela, “é uma coleção dos trabalhos de Jane Austen. “

“Eu amo Jane Austen!”

É claro que ama.

“Qual é o seu livro favorito? Eu gosto muito de Orgulho e Preconceito, mas o meu favorito é Emma, ” ela falou borbulhando de entusiasmo.

Todos nesse campus eram tagarelas?

“Eu ainda estou lendo Emma, mas eu realmente gosto dela como personagem. Eu não costumo ler livros de romance, ainda assim, eu prefiro mistérios e velho Oeste. “

“Você já leu muito Agatha Christy?” Ela perguntou enquanto vasculhava uma grande caixa e colocava pilhas de papel pelas mesas na parede.

 

“Sim, eu amo seu trabalho!” Essa mulher tinha bom gosto para livros.

“Você leu o último dela, Ten Little Indians, é assustador o suficiente para encolher suas unhas dos pés, ” ela riu.

“Ainda não, mas minhas unhas do pé gostariam de uma boa encolhida, então talvez eu precise disso, ” eu ri de volta. O último livro de horror que eu li foi o Drácula e ele me fez rugir de tanto rir. Agatha Christy poderia fazer muito mais do que Bram Stoker em assustar.

Eu estava começando a gostar da companhia da mulher, ainda que a ironia de uma vampira discutir livros de horror fosse difícil de se ignorar. Eu estava tão acostumada às pessoas relativamente hostis de Nova York, que essa conversa fácil era quase uma novidade para mim.

“Posso te ajudar com alguma coisa?” Eu perguntei em cortesia. Eu realmente não queria me aproximar dessa mulher tão gentil.

“Bem, há algumas caixas no armário no fim do corredor, lá embaixo, mas elas são pesadas. Você acha que dá conta delas?”

“Realmente isso não é um problema, ” eu disse enquanto seguia para o armário. Problema nennum.

Eu carreguei com facilidade cada caixa com “matrícula” escrito nelas de caneta, e as trouxe para ela. Várias outras pessoas começaram a chegar enquanto eu ia colocando as caixas no lugar.

“Quem é sua pequena ajudante, Hellen?” Perguntou um jovem, alto. Ele parecia ser um aluno. De fato, vários dos recém-chegados pareciam não ter mais que vinte anos.

“Essa é a sua garotinha?” Perguntou uma garota.

“Céus, não, ” respondeu Helen. “Minha filha está fora de casa, e casada. Essa é uma caloura, que se levantou cedo demais para a matrícula hoje. Eu e ela gostamos dos mesmos livros, e ela se ofereceu para me ajudar. Qual o seu nome, querida?” Ela me perguntou.

“Alice Stoker, ” eu respondi irritada. Eu não estava feliz com o rumo dessa conversa. Eu sabia que eu estava fazendo o papel de uma garota de dezoito anos, mas eu certamente não estava parecendo uma garotinha de forma alguma. Era a maldição da minha vida, eu me parecer mais como uma adolescente do que como uma adulta. Eu achava que me lamentaria pela minha juventude pelo resto da eternidade.

“Isso é encantador, ” sorriu um homem velho. Ele parecia muito colegial com um cavanhaque branco e pequenos óculos. Eu sorri de volta e voltei para a minha leitura. Eu estava certa de que eles não iriam continuar com a brincadeira amigável por muito tempo se eu ficasse muito perto. Eu fui interrompida por Hellen me entregando um pequeno papel.

“Isso é para você quando a fila se iniciar, ” ela disse. “Nós vamos por número, e você é o número um, já que você chegou cedo e me ajudou. Quando for a hora, eu vou chamar o seu número, e então você vai para o primeiro local designado. “

“É muito gentil da sua parte, ” eu falei. Realmente, essas pessoas eram quase muito boas para mim. O que há de errado com elas?

Eu não tive que esperar muito. Eu li apenas cerca de oito páginas mais ou menos, quando eles chamaram meu número. O corredor estava agora cheio de estudantes, todos calouros, que precisavam se matricular. Eu enfiei meu livro dentro da mochila, peguei os documentos necessários, e fui para a primeira estação. Hellen piscou para mim, me entregou algumas páginas para preencher, e foi para o próximo aluno. Me levou pouco tempo para preencher os papéis e ir para a segunda estação. Ninguém nem olhou para mim enquanto eu andava pelo corredor assinando papéis e pagando as coisas. Em quarenta minutos, eu havia terminado. Eu era uma estudante de faculdade assim como as centenas de outras pessoas atrás de mim.

Bem, não exatamente como eles. Eu era mais como um lobo no meio dos cordeiros, mas pelo menos eu era um lobo matriculado.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s