Historinhas de ninar do tio Emmett: Alice no país das Forksvilhas

Alice no País das Forksvilhas

Ah, a Páscoa…  Um período que significa transformações… Mudanças… Para a maioria das crianças, grandes ovos de chocolate. Lembro-me da minha infância humana. Minha mãe, que Deus a tenha, fazia grandes ovos de chocolate para a nossa família. Meus irmãos ficavam meio agressivos na Páscoa… Sempre me batiam…

.

.

.

Deve ser por que eu roubava os ovos deles… Mas em minha defesa, eu era maior do que eles e precisava de mais chocolate… Eles tinham cinco e seis anos e eu dezessete, ué… Minha mãe brigava comigo dizendo: “Emmett, não se deve tirar o doce da boca de crianças…” e me batia quando eu respondia: “Mas eles nem colocaram na boca ainda…”

Então, quando virei vampiro, eu parei de comer ovos de chocolate… Mas na residência dos Cullen tínhamos outra tradição.  Trocamos coelhos de verdade.

Gordinhos, branquinhos, apetitosos… Não são ursos, é claro, mas dá pra mudar o cardápio… Bem, nós trocávamos… Hábito que mudou desde quando eu matei o coelho de Renesmee no Natal…

Sim, eu dei um de presente para ela certa vez e fiquei com sede… O coelho estava ali, fazendo aquela coisinha com o nariz que é extremamente convidativa… Não resisti… Nessie chorou imediatamente e eu, é claro, fui castigado. Tive que me vestir de coelho durante um bom tempo toda vez que ela queria brincar com um… Idéia de Bella, mas confesso que adorei.

 

Mas não vou falar disso agora. O caso é que Renesmee adora coelhos. Tirando lobos, é o animal preferido dela… Sabendo disso, o vovô mais fofo do mundo inteiro (algo que ela também diz ao avô paterno), chefe Swan, deu um coelho de chocolate para ela…

Agora, eu pergunto… O que essa menina vai fazer com um coelho de chocolate?

Pelo amor de Deus, ela ODEIA comida humana. Jacob gosta de chocolate, então ela pode se divertir, jogando para ele pegar, algo mais ou menos assim…

Mas, de novo, Nessie adora coelhos… Então não me surpreendi quando ela pediu para que eu lhe contasse uma história que envolvesse algum coelho.

– Que tal “Bella no País das Forksvilhas?” – eu perguntei.

– Acho que ficaria melhor Alice no País das Forksvilhas. – ouvi a voz de alguém na cozinha.

– Alice, não se meta. – eu disse, enquanto me acomodava no sofá.

– Porque não, Emmett? A história de verdade já se chama Alice no País das Maravilhas… Me deixe ser a protagonista, só dessa vez, vai, por favor, deixa, deixa…

– Você promete calar a boca? – eu perguntei. Ela acenou a cabeça, com aqueles grandes olhos dourados brilhando, igual ao emoticon do meu MSN… – Tudo certo pra você, Nessie?

– Claro, contanto que tenha um coelho… Ou coelha… – ela sorriu.

– Então, vamos lá… “Era uma vez uma maluca chamada Alice.”

– O que ela estava vestindo? – Alice interrompeu.

– E isso importa? – Eu perguntei.

– Mas é claaaaro que sim, Emmett. Eu particularmente acho que Alice poderia usar um belo vestido azul claro, mas não igual ao da Alice dos desenhos e tão pouco a Alice da nova versão de Tim Burton. Aqueles vestidos são simplesmente bregas e ultrapassados. Poderia ter um caimento no ombro, com algumas fitas e um corpete verde água, ficaria lindíssimo… E os sapatos, é claro, de alguma grife italiana, com alguns brilhos. Algo que lembrasse os sapatos de rubi da Dorothy, mas claro, azuis… Ah, Emmett, por que você não conta O mágico de Oz para Nessie? Eu acho uma história linda e eu sei que você já incluiu em outras, porque você sempre fala da trilha de tijolos amarelos, e outro dia eu estava vendo um especial de Wicked, aqueeele musical baseado nas bruxas de Oz e…

– CALE A BOCA!!!!!!!!! Cale a boca, cale a boca, cale a boca… Alice. Cale a boca!

– Nossa Emmett, que grosseria, eu já entendi. Você quer que eu fique quieta… – ela disse.

– ISSO. Eu quero que você fique BEM QUIETINHA. – eu falei. – Ok… Continuando… “Um belo dia, Alice estava sentada pensando em que roupa ia vestir em sua boneca Nessie Carlie da Estrela, quando de repente, eis que surge: A coelha Bellanca.”

– Que nome horrível, Bellanca… Parece pelanca… – Alice interrompeu.

– É espanhol… – eu bufei e corrigi.

– Titio, Branco em espanhol é Blanco… – Nessie corrigiu.

– A COELHA É MINHA E EU CHAMO COMO EU QUERO! – eu resmunguei.

– Tecnicamente, a “coelha” é do papai… – Nessie disse.

– Vocês vão me interromper? Eu paro de contar…

– Não, por favor, Emmett… Ficaremos quietinhas, eu vejo isso. – Alice me garantiu, mas não precisava ser Edward para saber que ela estava mentindo.

– Então está bem. “Alice achou a coelha a coisa mais linda que ela já havia visto. E ela tinha razão. Nunca na história de qualquer país havia tido uma coelha tão fofinha, branca e desastrada.

‘Coelhinha fofinha, branquinha e desastrada, que eu quero que seja minha melhor amiguinha, espera aí.’ Alice gritou.

‘Não posso, não posso, estou…’

‘Atrasada?’ Alice perguntou.

‘Não, procurando pelo Edward de Copas.’ Ela disse, suspirando.

‘O que é um Edward de Copas?’ ela perguntou para a pequena coelha em seus jeans e Ipod.

‘É a carta de baralho mais linda que existe, com o olhar mais monótono do mundo, mas ele disse que não pode estar comigo, pois somos de espécies diferentes.’ Ela disse, cabisbaixa.

‘Uma coelha apaixonada por uma carta de baralho?’ Alice questionou. ‘Tão estranho, isso…’

‘Não tanto quanto uma humana apaixonada por um vampiro centenário preso num corpo de 17 anos de grande topete e nariz tortinho, mas… Enfim… Tenho que encontrar minha cartinha.’ Ela disse, pulando e tropeçando para dentro da floresta.

Alice, que ficou encantada com a coelha e no impulso de vesti-la com vestidinhos de seda e colocar fitas em suas orelhas, saiu correndo atrás de BEL-LAN-CA, que havia entrado em um buraco. O que ela não sabia é que o buraco a levaria a um lugar mágico, cheio de criaturas encantadoras: NÁRNIA!”

– De novo com essa história de Nárnia? Pelo amor de Deus, já virou obsessão. – Alice interrompeu.

– E a sua pela Gucci? – eu rebati. Alice adorava coisas de marcas italianas. E nomes italianos lembravam Bella… – E quer parar de me interromper?

– Mas é verdade titio, afinal, você já mencionou Forksvilhas… – Nessie corrigiu.

– Então está certo… “Alice chegou a Forksvilhas e foi andando, até encontrar uma porta. Como sua estatura era suficientemente pequena para passar por debaixo dela, ela passou sem nenhum problema.

Andando pelas trilhas de Forksvilha, ela chegou a um lugar que julgou ser a casa da Coelha Bellanca. Encontrou uma velha Chevy vermelha na porta e, na sua ousadia sem tamanho, resolveu entrar para ver a casa da coelha.

Vasculhou, achou algumas peças de roupas espalhadas pelo chão, que ela julgou ser de péssimo gosto. Encontrou uma foto da Coelha com alguns personagens engraçados, que ela achou que conheceria mais a frente, pois ela era sabichona e achava que sabia tudo.

Antes de ir embora, ela achou uma pequena caixinha amarela com alguns biscoitos dentro e achou que poderia ser útil mais pra frente. Como é de sua índole roubar coisas amarelas, ela colocou dentro do seu bolso e saiu andando pela floresta, até chegar a uma clareira, onde havia um maluco nipônico tomando chá, juntamente com uma lebre loira e muito menos charmosa que um certo vampirinho.

‘Olá’ nossa protagonista disse. ‘Poderia me dar uma informação, estou perdida…’

‘Oh, uma garota’ disse o Chapeleiro Nipônico. ‘Sente-se, criança, está na hora do chá em La Push, Baby.’

‘Então estou em La Push, Baby?’ ela perguntou.

‘Não existe La Push, Baby… É só La Push.’  Disse a lebre, meio mal humorada.

‘Credo, o que há de errado com a Lebre?’ perguntou Alice.

‘Ele estava perseguindo a Coelha… Mas ela não liga para os seres da espécie dela… Está encantada por uma carta de baralho. ’ O chapeleiro falou;

‘Carta de baralho? Meu Deus, ela me disse, mas como isso é possível?’ Alice questionou.

‘Assim como um vampiro se apaixonar por uma humana e terem um bebê meio humano, meio vampiro, dã.’ a Lebre resmungou. ‘Enfim, eu quero muito achar alguém que conforte a dor por não ter a coelha…’

‘Ô minha Lebre, finalmente te achei…’ Surgiu uma figura vinda do nada. Um homem alto e forte, meio atraente como se tivesse saído de uma pequena cidade brasileira.

Ao ver aquela figura, a Lebre baixou a cabeça e gritou com o coitado: ‘VAI PRA CASA, ROBERVAL…’

Cabisbaixo, o rapaz voltou para o seu lugar, longe dali, perto das rosas, pois a rainha não gosta de tais flores…

‘Han… Er… Mas, como faço para chegar ao Castelo?’ Alice perguntou.

‘Como sabe que aqui tem um castelo?’ a Lebre perguntou.

‘Óbvio, eu sei tudo!’ Alice riu triunfante.”

– Emmett, qual é, as pessoas vão começar a pensar que eu sou uma chata, metida e que sei tudo o que acontece na vida dos outros. – ela se defendeu.

– E não é? – eu questionei. – Além disso, você é a maior dedo duro… Tudo o que eu planejo fazer você conta a Rose, Edward e Carlisle.

– Claro… Acha que dopar o garoto Newton, vesti-lo com uma peruca vermelha e deixá-lo na fronteira dos lobos é uma idéia legal? – Alice perguntou.

– Bom… Sim. – eu respondi.

– Os lobos não são tão idiotas assim, Emmett… É claro que eles sentiriam o cheiro de humano. – Alice concluiu.

– Não se eu levasse algumas roupas usadas da Esme e vestisse nele…- eu disse, refletindo, e ganhando um olhar de reprovação das meninas. – Melhor voltar pra história?

– Sim. – as duas falaram.

– Então… “Alice achou que seria cordial ficar mais tempo com eles, principalmente pela melancolia da Lebre, que a agradava muito. Mas ela sabia que, mais a frente, encontraria um “cavaleiro dourado” igualmente melancólico, então deixou a Lebre e o Chapeleiro enchendo a cara de chá e andou por mais alguns lugares até chegar a um grande jardim.

Ali, é claro, encontrou flores maiores do que ela,o que não era uma tarefa muito difícil, pois nossa heroína, que não é o tipo preferido de heroína de Edward, é uma coisinha minúscula e irritante.

‘Olha, uma flor azul.’ Uma Angeléia disse.

‘Mas que flor mais feia… Está murcha.’ A flor Jessmin, fofoqueira e despeitada, falou.

‘Não sou flor.’ Alice respondeu.

‘Isso só pode ser mato…’ Jessmin disse.

‘Não seja maldosa, ou a rainha mana nos arrancar. Não sabe que a única que tem permissão para comentários maldosos é a rainha?’ Angeléia disse.

‘Problema dela… E além do mais, a rainha odeia rosas… Por algum motivo que envolve seu passado… Mas não tenho certeza… ’ ela comentou, mas todos nós sabemos que ela estava fazendo isso para aparecer e querer falar sobre o passado da bela rainha.

‘Vocês podem me dizer para que lado fica o castelo?’ Alice perguntou.

‘Não.’ Jessmin falou.

‘Jessmin… Não seja ruim. Olha florzinha miúda e baixinha, você pode seguir em frente, mas cuidado. Tem um animal a solta e ele fede…’ A flor mais legal, porém apagadinha na história disse.

Então Alice andou, andou e foi parar em uma encruzilhada.

‘Olá.’ Ela ouviu.

‘Quem está aí? E que fedor é esse, você é um gambá?’ ela perguntou, avistando um grande sorriso ao longo do caminho.

‘Sou um lobo…’ Ele saiu das árvores.

‘Pera, você não é o lobo mau, não é?’ ela perguntou.

‘Por favor, sem piadas com música baiana, tá bom?”Ele resmungou, lembrando-se que ele foi a chacota do Forksvilhas folia. “Sou apenas um morador da floresta, tentando viver em paz com meus músculos grandes demais para a minha idade…’

‘Desculpe. Então… Estou atrás da coelha…’

‘Então somos dois…’ ele suspirou.

‘Você e a Lebre… Nossa… A coelhinha está em alta né?’ ela sorriu.

‘Mas ela não liga, na verdade… Só para aquela carta de baralho idiota…’ ele bufou.

‘Entendo… Bom, você poderia me levar até o castelo, eu gostaria de ver a rainha.’

‘Porque alguém em sã consciência gostaria de ver aquela criatura sanguessuga e burra?’ o cão disse.

‘E ela é burra?’ Alice perguntou.

‘Por favor, ela dirige uma BMW porque é capaz de soletrar quando vai ao mecânico… E tem um complexo com rosas que, Deus me livre… Aquela ali é louca.’

‘Então, você não vai comigo?’ ela perguntou.

‘Não.’

‘A coelha estará lá…’ ela falou.

‘Não…’

Ela lembrou-se, então, da caixa amarela que tinha roubado da casa da coelha…

‘E se eu te der um biscoito Scooby?’ ela ofereceu.

Os olhos do cachorro brilharam… Ele se lembrou das suas manhãs aos sábados, quando era apenas um cachorrinho, assistindo televisão enquanto via o pequeno Scooby Doo comendo seus famosos biscoitos Scooby.

‘Se você me der a caixa inteira…’ ele propôs.

‘Feito. Me leve até a rainha.’ Alice pediu, dando a caixa para o cão.

Então eles foram por todo caminho até chegar ao castelo. Aos arredores, eles viram uma cena única. A coelha e a carta de baralho estavam trocando juras de amor…

‘Então a carta se apaixonou pela coelha…’ ele disse.

‘Que coelha estúpida…’ ela respondeu.

‘Em partes eu tenho que concordar…’ o cão resmungou.

A Carta Edward logo se colocou na frente da coelha… ‘Não se preocupe, amor da minha vida, razão da minha existência, chuchu da minha salada, sol da minha praia, presunto do meu misto…

(meia hora depois)

… banana da minha vitamina, luz da minha lâmpada…’

‘Quer acabar logo com isso???’ A coelha pediu.

‘Ah sim… Eu te salvarei.’ Ele disse.

Todos explodiram em risada.

‘Por favor, uma carta de baralho vai fazer o quê? Me abanar até eu cair? Eu vou te soprar, soprar até te derrubar…’ disse o lobo…”

– Emmett, você poderia contar os três porquinhos para Nessie, já que você não se importa mais em colocar Jacob em suas histórias. – Alice sugeriu.

– Alice… Que coisa feia é essa, incentivando a violência, a preguiça e ao egoísmo… Aquela história não é pra Nessie, além do mais, eu não quero contar histórias que envolvam animais e os Cullen… Até hoje não contei Bambi e Rei Leão para ela por algum motivo…

– Já sei, você já falou da Cullen que mata… – ela me lembrou.

– Sim, mas o que você não sabe é… que eu… espera, espera: MUSIQUEI!

– E você vai cantar para a gente depois que terminar a história? – Nessie perguntou.

– Claro! Mas depois, eu comprei uma fantasia ideal para esse momento. – eu disse, lembrando-me da linda fantasia que eu guardei durante esse tempo todo. – Mas deixa eu terminar logo a historinha, ta bom?

“ Então, o lobo, a coelha, a carta e a pequena criaturinha irritante foram interrompidos por um estrondo. Uma série de cornetas, um grande exército de Cartas e no final, a figura mais linda e vampiresca que eles haviam visto em toda sua vida, do lado da quase tão bela rainha: O Rei Emmett de Copas.

‘Como assim quase tão bela, seu estrupício?’ a rainha perguntou.

‘Calma minha ursi…’ ela olhou com olhar reprovador ‘minha Copinha… Era brincadeira…’ o belo rei disse, murchando.

‘Muito bem. Bem melhor.’ Ela sorriu. ‘Sinto cheiro de alegria aqui… Quem permitiu que trouxessem alegria ao meu reino? Eu tenho alergia a alegria, assim como tenho à rosa…’

‘Pensei que você não gostasse de rosas porque…’ o rei começou a falar.

‘CALE A BOCA, se não eu mando cortar sua cabeça.’ Ela disse. ‘Então, a carta se apaixonou pela coelhinha foi? CORTEM A CABEÇA DELA’

‘Deixa a coelha fora disso…’ A Lebre veio pulando de algum lugar.

‘É, ela não tem culpa de ser burra…’ o lobo disse.

‘Eeeeeei…’ a coelha se defendeu, mas sabia que seria inútil.

Uma barreira foi criada na frente da coelha para protegê-la…

‘Não se metam, quem tiver na frente eu vou cortar a cabeça.’ A rainha disse.

‘Ninguém corta a cabeça da minha lebre…’ Roberval apareceu de novo…

‘Você?’ a rainha perguntou.

‘Você o conhece, meu amor?’ Rei Emmett quis saber.

‘Está na hora de revelar o passado da rainha, o real motivo pelo qual ela não gosta de rosas…’

Um silêncio dramático, daqueles típicos de novela mexicana, se fez. Então, a rainha, que era a verdadeira face do medo, ficou séria e disse.

‘Está bem… Eu conto. Antes de me tornar rainha e vampira e vir para esse antro de maluquice… Eu morava em… Roseiral.

Vivia numa casa enorme, cheia de luxo, com um ex viúvo solitário e carente, o qual eu fingia ser amiga para me aproximar dele… Mas ele tinha aquela pequena obsessão por rosas, o que me deixava doente. A cara inteira cheirava… ou melhor, fedia a rosas…

Até que um dia aquela índia selvagem e irritante apareceu.’

‘Leah?’ o lobo perguntou.

‘Pocahontas?’ Emmett perguntou.

‘Não. Serena…’ a rainha disse, com um rancor nos olhos. ‘Se aquela porcariazinha não tivesse aparecido, eu estaria governando aquela cidade, estaria rica e teria o homem dos meus sonhos a meu lado.’

‘Mas, Copinhas, você governa um reino inteiro, é mais rica ainda e tem o homem mais belo da face da terra.’ O rei falou.

‘Isso não basta. Agora eu quero vingança!!! E eu vou cortar a cabeça de alguém. E se não for da coelha, vai ser da baixinha ali.’ A rainha disse.

‘E a minha porquê?’ Alice quis saber.

‘Não sei… você me irrita.’ Ela disse, mandando o exército para cima da pequena. Mas, de repente, eis que surge um cavaleiro dourado montado em seu cavalo.

‘No temas, pequeña criatura.’ Ele disse num portunhol péssimo. ‘Yo soy Don Jaspote de la Mancha y estoy aqui para salvá-la usted.’

‘Credo, cara, se quer salvar, salva corretamente, mas não vem falar espanhol errado do meu lado não.’ A carta metida a poliglota falou.

‘Está bem…’ Ele disse. ‘Rainha Rosalie de Copas, eu não permitirei que machuque a minha bela Dulcinéia..

‘Meu nome é Alice…’ Alice disse.

‘… Alice. Eu lutei contra perversos gigantes…’

‘… eram moinhos. Eu vi, eu estava lá.’ O Chapeleiro, que veio juntamente com a lebre, mas como é uma figura dispensável eu não comentei, disse.

‘Como assim moinhos, meu caro? Eu me lembro, estavam quase engolindo aquela bela torre em Paris… Eu lembro que quando eu enfiei minha espada, eles ficaram vermelhos de sangue.’

‘… Era o Moulin Rouge.’ O Chapeleiro disse, encerrando suas falas na história, pois temos aqui cotas para personagens terciários.

‘…Han, bem… Em todo caso, você não vai cortar a cabeça da minha querida amada que eu acabei de conhecer.’

‘Ahhhhh… Mas eu quero taaanto cortar a cabeça de alguém… Eu comprei uma guilhotina nova em folha, um carrasco GO-GO Boy só pra isso e ninguém vai deixar eu cortar a cabeça de ninguém?’ arainha disse, chorando.

‘Bom… Eu passei por um jardim mais cedo, sabe… E vi duas flores. A Angeléia não merece, mas que tal a Jessmin?’ Alice disse. ‘Além do mais, ela estava espalhando boatos sobre Vossa Majestade. ’

Os olhos da rainha brilharam. ‘Vamos, tropa, em frente ao jardim… Eu vou despetalar aquela miséria, depois eu vou tirar as folhinhas uma a uma…’ A rainha disse, marchando em direção ao jardim, seguida de sua turma.

Estava anoitecendo quando Alice reparou que era hora de ir para casa.

‘Como saio daqui?’ Ela perguntou.

‘Você não quis tanto esses sapatos aí?’ Bate neles para ver o que acontece.

Ela então, bateu três vezes no sapatinho e surgiu em sua frente, um grande Porsche amarelo, modelo novo e personalizado. ‘Uau…’ ela disse. ‘Você vem comigo, Don Jaspote?’

‘Claro.’ Ele disse, enquanto eles saiam em direção ao por do sol, vivendo felizes para sempre.”

– E fim! – eu disse.

– Até que eu gostei do final dessa história. Jasper, um Porsche novo em folha e um por do sol… Deve ser muito bom dirigir à luz do crepúsculo… – Alice disse.

– Ah, mas até você com esse nome na cabeça. Crepúsculo… Prefiro chamar: Finalzinho da Tarde… E por sinal, Nessie, ainda tem uma história que eu quero te contar… Quando a lua tapa o sol…

– Ah, Emmett, isso se chama Eclipse… E espera mais um pouco, eu li num site que sairia um filme com esse nome. – Alice disse. – E olha só que coisa, é sobre uma garota, um vampiro e um lobisomem…

– Essas pessoas… Não sei não. Que falta de criatividade, onde já se viu, um lobisomem, um vampiro e uma garota. Alice, sua boba, isso não é filme, é videoclipe. Michael Jackson fez e os Backstreet Boys também. E por falar em música, Nessie, pronta para ouvir a música que eu fiz?

– Claro titio. – ela disse.

Então, peguei o violão de Edward (sim, ele também tem) e comecei a tocar.

– Bom, eu tive que explicar aos animaizinhos porque Bella, que antes era boazinha, iria matá-los para beber seu sangue. Então eu criei essa canção, baseada no clássico: Hakuna Matata…

A Cullen que Mata… Precisa viver

A Cullen que Mata… Seu sangue vai beber!

E o problema: você deve correr

Para não morrer

Mas vai perder

Pra Cullen que Mata…

Ouça:

Quando ela estava no leito de Morte…

Seu esposo, vampiro, pra sua proteção

Injetou o veneno dentro do coração

E todo o processo foi lento…

E Bella, das atenções era o Centro…

Meu Deus, que enxame…

Ao falar seu nome

Rose ficava tão triste

Porque ela queria roubar a Nes…

– EMMETT??? – Rose chegou. Enquanto eu estava vestido de Pumba… – Que coisa ridícula é essa, tire já essa roupa. E que história é essa de eu querer roubar Nessie de Bella?

– Como se ninguém soubesse disso, não é Rose?- Alice disse. E é verdade, até Nessie sabia…

– Não se meta, Alice… Emmett, tire já essa roupa. – Rosalie falou.

– Mas, ursinha, é Páscoa… As pessoas ficam menos rabugentas na Páscoa… Sabe, coelhinhos, chocolate…

– Ah, você quer coelhinhos? – ela me perguntou.

Bom… Me vestir de coelho não foi tão ruim quanto o que aconteceu a seguir. O problema maior foi o que aconteceu a seguir, quando Nessie resolveu conversar com Rose sobre sua história….

– Entendo porque não gosta de rosas, titia, morar numa casa cheia de flores, com aquele cara idiota e ser traída por ele… – ela disse a tia. Até eu explicar à Rose sobre a história de Ninar, e que não tinha nada a vercom Royce King II, já era tarde demais.

Além da fantasia de coelho, ela me cobriu com camadas de chocolate e me mandou como cortesia para no novo mercadinho da cidade. Pelo menos foi divertido…

Sim, pois o mercadinho pertence à família Newton… Sim… E o gerente é ninguém menos que Mike Newton.

Então vê-lo olhar torto para mim não foi tão engraçado como quando ele fechou a loja e desmaiou quando viu que eu acenei para ele…

Espero que Carlisle não fique sabendo disso. Não quero ficar mais uma semana cantando para aquele verme dormir…

Então, Coelhinhos e Coelhinhas do titio. Feliz Páscoa…

Com muito amor, chocolate para ficar ainda mais Chocolicious e os músculos de sempre

Tio Emmett da Páscoa.

Uma resposta »

  1. jamilly disse:

    Muito bom continue fazendo isso vc tem um certo “talento” se é q pode ser chamado disso
    Vc faz isso há muito tempo né? Pena q eu só vim saber agora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s