Singularity – Capítulo 14

 

Queda

O mercado estava indo em espiral para baixo numa quebra inevitável. Isso era o que minhas visões estavam tentando me dizer. A realização me atingiu quando eu estava trancada em casa em um dia muito ensolarado e quente de agosto, e eu não podia fazer nada sobre o que eu podia ver chegando.

Eu estava vendo problemas durante quase quatro meses, mas eu pensei que eles estavam errados porque os números que vi foram tão inacreditavelmente ruins. No entanto, essa visão foi absoluta, a única coisa fora era o tempo que aconteceria. Todos no mercado sabiam que a especulação estava levando o mercado a extremos, e a maioria de nós estava profundamente envolvida naquela especulação, mas os números que eu vi me deixaram desconcertada. Como qualquer investidor poderia sobreviver a essa queda?

“Qual é a melhor maneira de enfrentar um pânico no mercado de ações?” Eu perguntei Edwina quando eu podia.

“Você acha que um pânico está chegando?” Sua voz frágil guardava um tom de histeria.

“Eu não sei, talvez. O mercado estava tão alto que pode cair um pouco em breve”, menti. Eu não a deveria preocupar agora que o fim estava tão próximo.

“Oh, é fácil ultrapassar um pânico, especialmente se for um curto. Saque todo o seu estoque atual. Escolha várias empresas sólidas para investir de dez a quinze por cento de seu estoque atual no mercado após a queda. Você pode manter o resto do dinheiro em espécie ou transferir para alguns títulos. Mantenha o dinheiro em um cofre, caixa de depósito, ou um banco forte, e mande um pouco para o exterior. Quando estiver acabado, você não perdeu um centavo, e as ações reinvestidas subirão ao longo do tempo. Se você escolher bem as empresas, e se você comprar quando estiver em seu ponto mais baixo, é uma aposta certa”, disse ela, soando muito confiante.

“Você tem certeza sobre tudo isso? Parece fácil demais.” Apesar de que quando ela já tinha estado errada?

“Querida, criar pânico, e até lucrar com um, é tudo uma questão de boas decisões e de ter um ótimo timing, e você tem ambos. Eu sei que você vai cuidar de mim e Herbert o melhor que você puder. “

“Você é tão fácil de agradar!” Eu provoquei. Sua confiança me deixou abalada, porque eu sabia que desta vez as minhas decisões teriam de durar dez ou quinze anos. O que quer que viesse depois da queda do mercado modificaria o mundo como o conhecíamos. Talvez fosse uma bênção que Edwina não vivesse para ver isso.

Fui para o clã de Paul quando eu tinha um plano formulado. Eles e os outros vampiros de Nova York dependiam pesadamente de mim, e eu precisava convencê-los a sair do mercado rapidamente. Nenhum deles iria gostar disso.

“Você está absolutamente certa sobre isso, Alice? Eu sei que você esteve morta no passado, mas isso … isso … é uma decisão importante “, disse Paul quando eu disse ao seu clã sobre meus “palpites” e o plano que eu tinha feito. Tinha levado uma semana para elaborar um bom plano que pudesse manter intactas todas as nossas riquezas e, talvez até permitir que ela crescesse, mas era difícil vendê-lo para os vampiros que estavam tão profundamente envolvidos no mercado.

“Tudo?” Marianne disse mais uma vez.

“Sim, tirar tudo. Podemos reinvestir em cerca de quinze meses em várias empresas, que devem crescer na próxima década, mas se não sairmos agora, pode não haver tempo suficiente para proteger o dinheiro que temos”, expliquei novamente.

“Faz sentido, se o mercado vai ser tão ruim como ela diz,” salientou a sempre prática Annette.

“Vai ser, acredite em mim, você não viu nada assim antes.” Eles foram com meus outros conselhos como se fosse uma aposta certa. Por que eles não acreditam em mim agora?

“Tudo bem, então, acho que vamos seguir a sua liderança. Nós estávamos planejando ir para a Europa, então vamos antes de outubro e, então, podemos pessoalmente colocar o dinheiro em um banco suíço”, Paul decidiu. “Nós devemos espalhar o alerta, então, liguem ou escrevam para qualquer um e todos saberão. Os vampiros estão fora do mercado “.

Fiquei tão aliviada que o abracei. Em seguida veio a realização de que os meus amigos, as únicas pessoas que eu realmente conhecia no mundo, ia estar a um continente de distância. Marianne viu a decepção e a dor claramente no meu rosto. Eu realmente precisava trabalhar em não mostrar as minhas emoções.

“Por favor, reconsidere e venha com a gente, Alice. Você pode estar de volta aos Estados Unidos em uma quinzena, até menos tempo ainda se você usar um dirigível. Você não tem idéia do que irá perder. Além disso, sentiremos tanta falta de você “, ela implorou.

“Eu vou sentir mais falta de vocês do que podem imaginar, mas eu realmente preciso ficar aqui por enquanto. Estou planejando fazer a minha própria viagem”, eu disse a ela.

Além disso, eu sei exatamente o que poderia perder se eu for sem encontrar Jasper primeiro.

Paul tentou novamente alguma maneira para me juntar a eles. “Alice, você é tão parte de nós quanto nós somos de você. Por favor, reconsidere. Precisamos de você agora, mais do que nunca, e quero muito lhe mostrar a beleza da Europa. Por favor, diga que você virá. ” Sua voz era como veludo, e minha vontade quase desmoronou sob a pressão de sua sugestão. Ele já havia tentado isso antes, mas desta vez foi muito mais difícil de resistir. Apesar de eu saber que era o seu dom, e que ele estava me manipulando, eu não podia evitar sentir que eu queria ir com eles, e que eu era uma pessoa horrível por dizer não.

“Eu sei que você vai ficar bem, Paul, e eu quero manter a sua amizade, mas eu realmente não posso ir agora. ” Levou todas as forças que eu tinha para fazer essa declaração forte o suficiente para fazê-lo parar. Eu saí imediatamente, antes que ele pudesse tentar de novo.

Herbert ficou incrivelmente triste quando disse à ele que eu estava saindo do trabalho, mas ele se recusou a aceitar qualquer um dos meus conselhos. Eu esperava que o dinheiro de Edwina fosse suficiente para ele, porque eu sabia que ele iria perder tudo dentro dos próximos dois meses.

O resto dos meus amigos tomaram algumas medidas por meu conselho, então eu esperava que tivesse feito o suficiente para adverti-los, sobre a crise financeira e o conflito que estava por vir. Para onde seja que o mundo estivesse caminhando, seria massivo, sanguinolento, e de abalar a terra. Eu temia por Paul e seu clã e Greta e o dela, porque todos eles estavam tirando uma férias para fazer uma turnê pela Europa, África e Oriente Médio, e com o conflito ou o que quer seja que estava acontecendo, parecia estar focado nessa área.

Eu desejei poder ir, mas eu sabia que, enquanto rosto de Jasper continuava a clarear, eu nunca poderia deixar esta nação.

Em 23 de setembro, eu disse adeus aos dois clãs quando eles tomaram um navio de passageiros para Londres. Era uma longa jornada para um vampiro fazer, mas havia muitos seres humanos a bordo do navio, alguns deles clandestinos, que não iriam ser buscados. O clã de Paul me deu alguns presentes de despedida assim que foram embora.

“Nós queremos que você fique com isso”, disse Annette assim que passaram pela prancha de embarque, e ela me deu um molho de chaves. “Estas são para a nossa casa aqui, e a de Quebec, e uma cabana que temos ao norte de Washington, em New Hampshire. Use-os sempre que quiser. “

“Você pode armazenar qualquer coisa que você precisa no sótão da casa de Long Island, ” disse Paul, “apenas mantenha o olho nas coisas quando você passar por lá. “

“Você tem certeza? Isso é muito amável da sua parte”, eu disse sinceramente. Seria reconfortante ter uma casa para voltar depois de viajar. A casa deles aqui era o segundo lugar mais reconfortante que eu conhecia.

 

 

“Nós queremos que você os use”, disse Marianne, “você é um membro da nossa família extendida, e queremos que você sinta que pertence em todas as nossas casas”.

“Além disso, se você finalmente encontrar um homem, quartos virão a calhar”, sorriu Gregorio.

Eu sorri e rosnei baixinho para ele. Ele tinha me provocado sobre a necessidade de um homem nos últimos três anos, e não era nada sutil. Minha reação apenas o instigou.

“Mas, apenas use as camas de ferro que estão conectadas ao chão nas primeiras vezes”, continuou ele, “nós nos deixamos levar um pouco, e as coisas tendem a quebrar facilmente. Marianne e eu deixamos um rastro de destruição ao longo de três estados nos primeiros meses do nosso casamento. Ferro resiste a vampiros, e se está conectado ao chão, ele pode não bater numa parede e quebrá-la, como Marianne e eu fizemos. Depois de alguns meses, você pode passar à madeira.” Seu sorriso ia de orelha a orelha. Passageiros em torno de nós estavam começando a se afastar.

“Obrigada”, era tudo que eu poderia pensar para resmungar de volta. Então, com alguns abraços e muitos acenos, vi meus amigos partirem.

No dia seguinte, peguei a maioria das minhas roupas, aquelas que não seriam boas para viajar e não poderiam caber em duas malas, para dar para o Exército da Salvação. Eu sabia que as pessoas precisariam delas em breve. Eu já tinha sacado todo meu dinheiro, transferido um pouco para um banco suíço, comprado títulos com alguma parte e colocado o resto em um grande cofre escondido na casa de Annette. Todo, exceto o que eu precisaria para comprar um carro, um rápido, e viajar ao redor do país. Já que eu estava presa aqui, então que eu veja o lugar.

Então, eu disse o mais difícil adeus que eu já tive que dizer.

Edwina estava morrendo, e tinha sido colocada em um hospital para passar seus poucos dias restantes. Ela mal abriu os olhos quando eu fui vê-la pela tarde.

“Olá, Edwina, querida. Como vai você?” Eu perguntei calmamente. Uma parte de mim desejava que ela não acordasse, mas parte de mim precisava ter um bom final. Como Marianne tinha dito, eu precisava fazer isso direito.

“Alice?” Ela sussurrou, mais uma respiração do que voz. “Oh, querida, é tão bom vê-la. “

“É muito bom vê-la também. Como eles estão tratando você aqui?” Eu perguntei. O lugar me fez sentir estranhamente insegura e com medo. Eu senti como se tivesse estado aqui antes, embora eu nunca tinha estado em um hospital.

 

“As enfermeiras são realmente doces, mas a comida é horrível, e o rádio não tem uma boa recepção, mas eu não consigo ficar acordada o tempo suficiente para ouvir”.

“Eu poderia dizer o que está acontecendo, se você quiser. “

“Não, isso não é necessário”, e ela caiu no sono por um tempo. Sua respiração cheirava velha e era superficial, rápida e irregular. Sua pele era quase translúcida e os círculos sob seus olhos estavam roxo escuros. Ela parecia Myrtle na noite em que ela morreu. Enquanto olhava para seu rosto de repente já era noite, e uma enfermeira estava lá tomando seu pulso. Ela silenciosamente fechou os olhos de Edwina, parou o relógio que estava na cama às 10:23, e a cobriu com um lençol. Então rapidamente, eu estava de volta à sala, e era 7:35. Eu me contorci com o conhecimento de que minha amiga remanescente iria me deixar esta noite.

“Alice, por que você parece tão triste?” Sua voz ainda era fraca, mas me assustou do mesmo jeito.

“Eu só sinto sua falta e de Myrtle. A casa não é a mesma sem vocês duas conspirando para me fazer uma noiva rica. ” Eu a fiz sorrir.

“Sinto tanta falta de Myrtle e Hank, Opal, Katherine, e de todos os outros. Faz tanto tempo desde que eu os vi, eu acho que vai ser bom revê-los novamente “, ela sorriu e sussurrou as palavras.

“Você está bem com isso? Com … morrer?” Foi mórbido, e impróprio, mas eu tinha que saber.

“Eu suponho que eu estou. É tudo parte da vida, nascer e morrer e tudo o que acontece no meio. Além disso, eu vivi por muito tempo, tem sido uma boa vida e estou contente por tê-la vivido. Mas como toda boa história, uma boa vida precisa de um bom final, e este é tão bom quanto qualquer outro, suponho eu… eu vou dizer Olá a Myrtle e Hank por você… Há alguém mais que você quer que eu procure? Estou esperando que haja linhas telefônicas… você sabe o quanto eu amo telefone”, ela brincou enquanto o seu sorriso fraco ficou um pouco maior.

“Linhas telefônicas no céu? Isso é algo a se pensar. Eu não conheço ninguém mais além de um garoto chamado Michael e uma garota chamada Brittany, mas eu realmente não sei se eles vão estar lá ou não”, eu respondi tristemente. Não, eu não conheço muitos que estariam no céu – a menos que eu fosse a pessoa que tivesse os colocado lá.

Culpa. Tristeza. Eternidade para sentí-los. Senti o frio aperto da imortalidade me esmagar.

“Não se atreva em ficar triste por muito tempo, Alice, ” ela me repreendeu agora , “fique triste por um tempo, me dê o dom da tristeza, e então você vai cseguir em frente e realmente viver. Você tem um dom para fazer a vida valer a pena er vivida e celebrada, então use-o sempre que puder. Ninguém pode dar uma festa ou dar um presente como você, então vá em frente e faça tudo alegre e feliz como você sempre faz. Faça Jasper feliz, e tirar a dor por ele ser um soldado, e tome cuidado para não assustá-lo como você fez com todos os outros! “

Eu tive que rir alto. Eu provavelmente iria assustar Jasper sem sequer tentar.

Coloquei a mão dela na minha e notei que elas estavam na mesma temperatura. Ela estava tentando dormir de novo, a conversa a tinha  deixado exausta. Eu tinha feito o certo, no entanto. Eu tinha dito adeus, e ela estava pronta para partir, e isso era muito certo.

Eu sentei lá por cerca de uma hora, e depois as crianças de Edwina, Herbert e Lizzy, entraram. Eu saí depois de uma breve saudação, e vaguei para a estação de trem. Eu deveria ir caçar por um tempo. Eu precisava estar afastada de todos, mortais e imortais, para que eu pudesse chorar da minha própria maneira.

Fui caçar no Canadá, porque os ursos e lobos estavam em pleno vigor lá. Eu estava viajado na densa floresta verde durante onze dias, desfrutando do meu tempo sozinha e experimentando de grandes carnívoros. Eu nem sequer tinha que pensar sobre o sol na floresta densa e úmida. Eu também estava tentando ver minha família e Jasper. Visões nunca vinham enquanto eu me alimentava, então eu esperei até que eu estivesse satisfeita e feliz, e comecei a relaxar na floresta enquanto eu esperava por uma.

Finalmente, deitada em uma grande área de pedras sob a lua cheia, eu vi Jasper novamente. Essa visão iria se realizar logo, e eu podia dizer isso porque estava assustadoramente clara. Eu podia dizer que era outra das visões de fogo, pelo cheiro. Jasper estava parado perto de uma pilha de corpos quebrados e em chamas com um olhar de completa auto-reprovação, em seu rosto. A dor em sua face era tão intensa que me machucava.

A visão mudou, e Jasper estava em um grande espaço, talvez em uma sala em um prédio. “Peter”, ele chamou enquanto entrava por uma porta, “onde está o próximo?” Ele forçou um sorriso no rosto enquanto dizia isso. A vampira loira que eu tinha visto jogando baseball veio andando acompanhada de um jovem.

A visão mudou, e eu ouvi o som de uma pedra quebrando. Eu estremeci porque conhecia esse som muito bem. Então eu vi Jasper ir para longe dos restos já queimando daquele jovem. O exemplo se repetiu duas vezes, e eu podia me sentir ficando cada vez mais doente e desesperada para isso acabar. Eu podia quase sentir a própria aflição de Jasper enquanto envolvia seu rosto depois de cada assassinato.

Então, Peter saiu do prédio com uma adorável jovem, uma garota muito loira que parecia ser moldada ao Peter de uma maneira familiar. NÃO! Eu conhecia o jeito que eles se moviam e o olhar no rosto dele. Ela era a companheira dele.

NÃO, NÃO, NÃO! Minha presa mente gritava.

“Corra, Charlotte!” Peter gritou, e então ele agachou em uma posição protetora para impedir que Jasper seguisse sua figura em retirada. Jasper ficou ali parado e dividido.

Peter e ele dividiram um longo e tenso momento, e então Peter correu. Deixe ele ir, minha mente implorava, e Jasper deixou. Jasper ficou enraizado ao chão, seus punhos fechados, sua mandíbula dura, seus olhos de luto. Mesmo em uma visão confusa, eu conhecia bem o olhar de pesar.

A visão mudou de novo. Agora Jasper estava em pé encarando uma mulher baixa de cabelos pretos. Ela era linda, mesmo em uma visão, e ela parecia com os vampiros que nós matamos há quatro anos. Ela estava brava, furiosa. Jasper tentou falar com ela, mas ela continuou gritando e gesticulando. Eu podia me sentir rosnando enquanto queria protegê-lo.

De repente, ele cruzou o curto espaço entre eles, a agarrou, e começou a beijá-la apaixonadamente. Minha mente, mesmo que ela fosse forçada a ver isso, congelou em choque.

Isso não acabou, eu precisava que acabasse, mas não acabava.

Ele continuou beijando, e agora ela estava beijando de volta, as mãos deles rapidamente se movendo pelos corpos um do outro, da maneira mais íntima possível. Ele continuava dizendo o nome dela, Maria, de novo e de novo. Agora, eles estavam rasgando as roupas um do outro, e eu podia vê-los indo para o chão, como um só, na escuridão.

Eu não sei exatamente como a visão terminou, porque eu estava gritando.

O Sol estava alto, mas eu estava correndo cegamente, ainda gritando entre meus soluços.

Eu não medi o tempo, eu não sei quanto tempo eu tinha corrido quando eu finalmente parei na margem de um enorme lago. Um dos Grandes Lagos? Eu não sabia ou me importava.

Jasper tinha uma companheira.

Ele não era meu, ele não viria por mim.

Eu estava perdida. Completamente perdida.

Nada da minha vida importou. Nada das mentiras, falsidade, visões dolorosas. Nada.

O que eu deveria ser sem ele? Eu não estava completa; eu nunca seria completa sem ele. Ondas de dor e de desespero desolado me cortaram como fogo. Era assim como se queimar? Talvez as chamas fossem preferíveis.

Se eu tivesse trazido fósforos, eu poderia ter alguma chance de parar a dor, mas eu não tinha nenhum. Além disso, uma pequena -infinitamente pequena- parte de mim queria viver, e estava lutando muito por minha vida. Eu fiquei parada como uma estátua, ainda em dor, até que eu pudesse pensar.

Três dias depois, a dor diminuiu o suficiente para eu tentar montar um plano.

Eu precisava dos meus amigos. Meus amigos que tinham ido embora. Eles saberiam o que fazer, se eu pudesse contar à eles. Eu sabia o endereço deles em Londres, uma velha casa do amigo de Paul. Eu iria até eles. Eu não precisava mais estar aqui, eu não podia estar aqui. Eu iria me esconder na Europa, nunca pensar sobre ele de novo, e reconstruir o que eu poderia do meu despedaçado ser. Eu corri de volta à Nova York, pedaços agitados em minha cabeça, eu não era mais uma pessoa coerente, de jeito nenhum.

Levaram apenas alguns minutos para eu agarrar todos os meus baús e dinheiro, trancar a porta e ir para as docas. Levou apenas um pouco de tempo para pegar um quarto em um navio. O mercado tinha caído, eu notei indiferente, e haveria poucos passageiros agora.

Eu podia sentir o navio se mover abaixo de mim enquanto estava sentada, enrolada como uma bola na cama ricamente decorada em minha cabine. Eu estava tentando me refazer à partir das partes que sobraram, mas isso não funcionou bem. A boa Alice, a Alice feliz, estava morta, queimada em chamas da dor, e eu não parecia poder recuperá-la.

Eu fiquei indo e voltando entre ódio e dor, soluçando e rosnando por horas sem fim. Isso não era justo! Porque eu vi ele? Porque amá-lo, se eu não podia tê-lo?

Dor.

Raiva. Porque ele até mesmo existia?

Dor. Morte seria melhor.

Raiva. Isso não é da forma que deveria acontecer.

Dor. Nada importava mais.

Raiva. Como ele podia fazer isso comigo?

Dor.

Dor. Dor. Dor.

Eu não saí da minha cabine até o navio ancorar em Londres. Quando eu saí, eu era uma nova Alice, uma verdadeira vampira, e eu não me importava em ser nada mais. Tudo o que eu desejava era não ter nenhuma visão nunca novamente.

Fazia quinze dias desde que eu tinha me alimentado pela última vez. Se eu tivesse me importado, eu iria correr pela cidade para tentar encontrar algum animal em algum lugar, mas eu não me importava. Não mais. Nunca mais.

Eu andei pelas ruas confusas de uma área movimentada de Londres, fazendo meu caminho para onde o mapa dizia que estaria o clã do Paul. Minhas visões implacáveis não me deixariam, mas essa, me atingiu com força total. Mais à frente, perto da curva do rio, iria ter um grupo de adultos, e o sangue deles me chamava de meu passado recente. Eu não lutei, eu não poderia nem considerar uma luta, eu não tinha luta restante em mim. Lá, como no meu primeiro assassinato, eu deixei meus instintos me guiarem enquanto eu tirava a vida de quatro ciganos e depositava os corpos na água gelada. Não houve horror, agora, apenas o incrível prazer de seus sangues quente enquanto eu finalmente cedia à cede. Não importava que eles tivessem vidas, eu não poderia me importar menos. A culpa que eu meio que esperava preencher meu coração, nunca nem se levantou.

Na hora que eu cheguei no endereço de onde meus amigos estavam, eu pude criar uma máscara tão perfeita que nem eles veriam através dela. Meu sorriso era perfeito, e minha história era impecável.

“Alice! Gregorio, é a Alice!” Marienne estava gritando e me abraçando. “Oh, Alice, você é uma de nós novamente!” Ela disse feliz enquanto notava meus olhos vermelhos. Sua voz dela se aqueceu já que meu estranho hábito não nos separava mais. “Bem vinda de volta, bem vinda ao lar. ” Ela estava sorrindo triunfante, e minha máscara imitou a dela.

“É bom estar de volta, ” minha máscara respondeu.

Eu estava em casa, com minha família.

Era a casa errada.

Era a família errada.

Eu era a Alice errada.

Os olhos que olhavam para mim no espelho do corredor eram olhos de uma besta.

Eu não me importava.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s