Singularity – Capítulo 29

 

Capítulo 29 – Vitória

O reinado de Hitler terminou oficialmente e a guerra na Europa tinha acabado. Pelo menos por agora. Eu sabia que, naturalmente, o novo conflito estaria vindo. Eu tinha passado os últimos dois dias aperfeiçoando minhas visões para ver o que o mercado de ações poderia me mostrar, e ações militares e aeroespaciais fariam muito bem para o futuro previsível. Eu já estava esperando no saguão sempre ocupado da bolsa de valores esperando pela abertura das negociações e as notícias chegarem às ruas. Fazia sol, então eu não seria capaz de ir para a cidade até o crepúsculo, mas eu não queria esperar em meu apartamento para a notícia oficialmente chegar. Eu queria ver o que aconteceu quando as pessoas ouviram falar da assinatura da rendição incondicional, e este era um bom lugar para assistir. O tratado foi assinado durante a noite aqui, e ninguém poderia saber da notícia ainda,  embora todos suspeitassem.

O comércio foi tão fraco durante a guerra. Eu estava aqui desde meados dos anos vinte, e o número de pessoas era menor do que a metade do que era. Fui para o balcão para ver enquanto o sino de abertura tocava e os homens começaram seus gritos roucos. Eu assisti à metade enquanto visões me levaram para as ruas de Nova York uma e outra vez. Eu vi multidões que contados aos milhares andavam por todas as ruas com bandeiras e dedos vitoriosos levantados. Essas pessoas deveriam estar no trabalho, e os filhos na escola, mas nenhum deles se importava. Eles estavam felizes sendo esmagados, empurrados e presos por uma multidão em êxtase, e seus sorrisos nunca hesitavam. Eu não podia esperar. Eu só queria poder fazer parte da coisa toda.

De repente, uma onda de pessoas liderada por um dos jornaleiros mais velhos caiu chão do pregão da bolsa. Estavam todos gritando ao mesmo tempo, e o menino estava acenando seu papel tão descontroladamente que ninguém poderia ler. Eu podia ouvir tudo perfeitamente, e foi maravilhoso. Questionamento e até mesmo olhares temerosos tornaram-se maravilhados e depois em alegria, a notícia varreu o mercado acionário. Homens e mulheres estavam se abraçando e pulando de alegria.

Saí correndo para o saguão para ver homens e mulheres correndo as escadas abaixo ou para os elevadores e para as ruas. A rua estava à sombra dos altos arranha-céus, por isso me tornei em uma com a multidão e entrei na rua com eles. Amigos estavam chamando uns aos outros e se abraçando. Os sinos das igrejas, os portadores de notícias mais antigas, estavam avisando. Caminhões de jornais e revistas estavam praticamente jogando os seus impressos para que as pessoas vissem. Por todas as ruas as lojas foram fechadas e os trabalhadores simplesmente enchiam as ruas com alegria.

Eles estavam tão delirantes que ninguém sequer reparou em mim exceto para sorrir para mim. E eu, por uma vez, sorri de volta. Era um sorriso cheio, e deveria ter sido aterrorizante, mas não hoje. Eu estava muito feliz, ou talvez eles estivessem, mas o terror dos meus dentes não funcionou hoje. Logo nos deparamos com uma banda formada por veteranos mais velhos tocando alto e um pouco fora de tom na rua. A multidão começou a dançar, e várias vezes eu estava mesmo me dançando. Nenhuma vez ninguém suspirou ou ficou com medo. Eu era um deles, apenas um deles, e isso foi maravilhoso.

O dia estava com neblina espessa, quente e úmido, mas eu usava um top de mangas compridas com um chapéu de abas largas e calças. Eu até usava luvas, só por precaução. Eu não poderia ficar no sol nublado diretamente, mas ninguém reparou em mim enquanto eu disparava da sombra de um edifício para o outro.

Alguém me entregou uma pequena bandeira, e eu acenei com entusiasmo verdadeiro. Alguém riu e me abraçou, e eu abracei de volta. Outro homem me girou na música patriótica que vinha do rádio.

Eu me escondi do sol apenas quando ele estava diretamente acima de mim, e imediatamente saia para me juntar com a multidão eufórica que agora enchia totalmente as ruas da cidade. Os homens estavam fazendo discursos nos palcos apressadamente colocados. Mais e mais artistas estavam enchendo a tarde com entretenimento e música. Eu vagava pelas ruas e ia assimilando tudo. Aquilo provavelmente nunca aconteceria novamente desta forma, as pessoas tão felizes que nem sequer o ligavam para me ver pelo que eu era. Vaguei até a noite cair, rindo e cantando com a multidão. Eu finalmente acabei em uma multidão de operários, composta principalmente por mulheres. Elas ainda estavam em seus macacões e cobertas com sujeira, mas elas estavam tão felizes que brilhavam sob a graxa. Elas vagavam pelas ruas cantando alto qualquer música que sabiam, e várias outras mulheres acompanhava cantando também. De vez em quando, uma soltava um grito e falava o nome de um irmão, irmã, marido ou filho. O grupo, então, gritava em uníssono, “Querida, eles estão vindo para casa, eles todos estão vindo para casa.”

Foi então que eu também notei aqueles que sorriam através das lágrimas. Talvez eles tivessem apenas começado a chorar durante a noite, mas eu acho que eu tinha ficado tão focada na alegria que eu não os vi antes. Em toda parte que eu olhava agora, eu podia vê-los, as pessoas sorrindo e acenando bandeiras, apertando as mãos e dando abraços, tudo através de lágrimas que fluiam livremente em seus rostos. Eu sabia quem eles eram. Nós todos sabíamos. Eles foram os únicos que não gritavam os nomes de seus entes queridos. Seus entes queridos nunca voltariam para casa.

“Quando você acha que os outros irão retornar, Alice?” Ivan perguntou enquanto contava o dinheiro entregue por um jovem e trêmulo mafioso duas semanas após o dia V. Eu tinha minha resposta já planejada, porque não precisava ser vidente para saber que estava por vir.

“Eu não tenho idéia. Acho que George vai voltar, e estou certa de que o clã de Greta vai ficar na Alemanha um pouco mais. Embora Mai-Li e Chi-Yang retornarão logo. Eles não gostam de comunistas. Haverá outros que irão à cidade. É uma cidade grande e há um grande número de refugiados aqui”.

Ivan franziu a testa. Eu sabia que ele não gostava da idéia de recém-chegados, especialmente com o dom de Paul já não segurando os clãs juntos. Esta seria uma cidade muito violenta se Ivan e Chi-Yang não pudessem manter o controle sobre ela. Vasily e Lena estavam agora em Chicago, trabalhando com a máfia lá. Nem mesmo irmãos poderiam facilmente ficar juntos em um clã de três, sem o auxílio de Paul.

“Só espero que o Chi-Yang não tenha nenhum problema comigo. Juntos, podemos cuidar bem da cidade, mas ele gosta de lutar demais”, Ivan pensou em voz alta enquanto ele contava rapidamente as notas.

Ele gosta de lutar muito? Você está brincando? Desde quando é que ele gosta de lutar mais do que você?” Minha voz declarou o choque e o sarcasmo que eu queria para ela. Não havia nenhuma maneira Chi-Yang ser mais violento que Ivan. Um lutador melhor talvez, mas não o mais violento.

Ivan apenas bufou e colocou o dinheiro em um grande cofre.

“Podemos contar com sua ajuda se as coisas ficarem fora de controle?” ele pediu com cautela.

“Eu vou morrer para proteger a minha casa e meus amigos, mas somente se eles forem atacados. Eu não quero ser o agressor.”

“Nós somos vampiros. Somos sempre os agressores”, ele falou. Ele não gostou da minha resposta, mas eu não gostava de sua atitude.

“Ivan, eu nunca vou deixar alguém prejudicar um verdadeiro clã de Nova York e você sabe disso. Quantas vezes matamos juntos para nos proteger? Eu só não quero matar se não for verdadeiramente necessário. Além disso, eu quero viajar um pouco mais agora que a guerra acabou, por isso não vou estar muito aqui”, expliquei.

“O que mais está lá fora para você ver? Você esteve por todo o continente e a maior parte da América do Sul. Você viu toda a Europa e Norte da África. Aonde você vai agora?” Ele estava ficando irritado com alguma coisa, e eu estava esperando que não fosse comigo.

“Eu não sei, eu só gosto de viajar. E fazer compras.” Eu ri de mim mesma. “Eu quero ficar o tempo suficiente para descobrir como forjar os documentos que os advogados fazem para nós, mas o falsificador na Lowe e Associados tem um pouco de medo de me mostrar…” Fui interrompido pela risada profunda Ivan.

“Quando você aprendeu a lamentar? Claro que ele não quer mostrar a você, ele morre de medo de nós. Ele tem quase 92 anos e tem falsificado desde que ele tinha doze anos. Ele sabe tudo sobre nós, ou pelo menos tem adivinhado o suficiente, e ele não vai querer nem mesmo um vampiro de olhos amarelos em sua pequena sala.”

“Ele sabe? Por que não o transforma ou o mata?”

“Acredite em mim, foi o tema de várias discussões. Ele vive em um buraco e vê o sol menos do que nós, por isso ele não é uma ameaça. Ter um vampiro falsificando seria útil para nós, mas não tinhamos certeza que ele iria continuar o trabalho uma vez que transformado. Além disso, ele não quer. Gregorio perguntou,” Ivan acrescentou indiferente.

“Gregorio lhe perguntou sobre a transformação?” Eu não podia acreditar.

“Claro. Seu nome é Frederick, e serviu a todos nós muito bem durante tantos anos que nenhum de nós queria fazer isso a não ser se ele quisesse, então Gregorio perguntou. Frederick não vai querer você perto dele. Entretanto, há um falsificador novo para a máfia de Chicago que é muito bom e jovem demais para ter percebido sobre nós. Eu poderia lhe enviar para Lena e Vasily. O cara novo, Hans, pode lhe mostrar. É um espaço pequeno, por isso tome cuidado para não assustá-lo, e pelo amor de Deus não comê-lo. Falsificadores como ele são difíceis de conseguir. Seria útil ter você por perto capaz de fazer papéis para nós. “

“Sim, desde que eu preciso ganhar meu sustento, e pagar minhas dívidas com você.” Eu ri enquanto bagunçava seu cabelo bem oleoso. Ivan era um vampiro muito rico graças a mim, e ele me devia muito mais do que eu devia a ele.

“Alice, você sabe que eu não queria dizer isso assim. Prefiro que você viaje para o meu irmão do que por aí, onde não posso achá-la. Quando você quer ir?”

“Não se preocupe comigo, pai, eu sei como viajar,” eu ri novamente. “Além disso, não poderei sair até o final de agosto.” Eu não queria perder a celebração de vitória quando os japoneses se rendessem. O que é que os cogumelos tinham a ver com isso?

Eu finalmente entendi porque cogumelos causariam a festa que iria ocorrer em quatro dias. Os humanos eram agora tão mortais quanto vampiros. Estremeci com o que o futuro podia trazer, mas eu não tentei olhar. Eu não precisava de mais razões para estar deprimida.

Uma parte de mim imaginava se os vampiros poderiam sobreviver a um ataque atômico.Gostaria de saber se um de nós estava no Japão quando a primeira bomba explodiu, e se eles realmente precisavam derrubar mais uma. O caminho parecia pronto para uma segunda.

Desde o regresso de Ivan, eu tinha estado ocupada, o que foi bom, mas ocupada com questões de vampiro, o que era ruim. Eu tinha minhas finanças firmemente estabelecidas e trabalhava com Ivan por ele durante os dias e então nós corríamos por toda a cidade durante a noite para garantir que nenhum de nossa espécie chegasse despercebido. Mal tive tempo de ir em shows, lojas e caçar. Eu estava tão animada que eu saltava em todos os lugares que eu ia. Acho que eu estava deixando Ivan louco com todo o meu entusiasmo, mas eu precisava estar perto dele porque eu não precisava ficar sozinha. Eu estava tão no limite.

Agora era quando eu ia encontrar Jasper – eu simplesmente sabia. Era depois desta guerra, tinha que ser depois desta guerra, mas não conseguia encontrar o restaurante. Eu estava indo para Chicago em setembro, para aprender a falsificar meus próprios documentos, e eu já sabia que eu iria precisar andar todas as ruas e olhar para cada janela de cada restaurante em Illinois e talvez Michigan enquanto eu estivesse lá.

Eu não queria gastar todo o meu tempo só procurando, mas eu não podia me aguentar. Eu sabia que ia acontecer. Eu sabia que iria encontrá-lo, eu só não sabia quando ou onde.

Eu odiava ser eu.

O restaurante não era na Pensilvânia. Maio, junho e julho haviam sido gastos procurando por ele nas cidades do estado.

A única vez que eu tinha ficado afastada da Pensilvânia foi para o Dia da Vitória e quando eu tinha passado 4 de julho em Washington DC. Ambas as viagens foram maravilhosas. Dia da Independência foi quase tão incrível quanto o Dia da Vitória tinha sido. Eu tive que assistir ao desfile da janela do meu hotel por causa do sol, mas as bandas e fogos de artifício depois de escurecer eram fabulosos de assistir, como eram as multidões felizes. A guerra não tinha acabado ainda, mas mesmo estes seres humanos poderiam sentir que o fim estava próximo.

Agora, o calor de agosto aquecia meu corpo frio enquanto eu esperava no telhado quente do meu apartamento para a segunda celebração. Eu não tive que esperar muito tempo.

Eu já tinha visto Carlisle e Esme abraçando de alegria perto do rádio. Eu já tinha ouvido a notícia que viria mais tarde hoje. Tudo que eu precisava fazer era esperar que sombras chegassem ao tamanho correto, e então eu iria para a rua.

Na tarde do dia 14 de agosto de 1945, desci para as sombras longas feitas pelos arranha-céus para ver a multidão na Times Square enquanto a notícia era dada em todos os noticiários na cidade: o Japão se rendeu, a guerra finalmente tinha acabado.

Assim como antes, as pessoas estavam gritando e agitando bandeiras. Homens e mulheres dançavam sem a necessidade da música. Eu vi um jovem marinheiro agarrando uma enfermeira e a beijando por nenhuma outra razão do que fazer isso em um dia tão importante.

Eu, a menina vampira, andei por entre os humanos sem medo de detecção. Eu era um deles, uma americana comemorando nossa vitória. Nenhuma vez alguém olhou para mim com medo. Depois do horror da guerra, o que eles teriam que temer de mim?

Eu realmente não quero responder a essa pergunta.

 

A primeira celebração foi mais espontânea, mas esta era mais permanente. As pessoas estavam cantando e dançando e brincando como antes, mas desta vez foi mais planejada. Fiquei a noite toda, dançando, rindo, e até cantando um pouco com eles.

Além disso, neste dia tinha um sentimento de finalidade que não estava presente antes. Essa paz era permanente, e os humanos de Nova York estavam prontos para seguir em frente com suas vidas. As pessoas estavam fazendo planos para o futuro, não apenas esperando por um. Estas eram pessoas renascidas, e eu estava aqui para o parto. Parecia incrível fazer parte desta celebração, neste pequeno momento na história.

Chicago nunca foi meu lugar favorito para estar. É uma cidade linda, mas a taxa de crime é horrível e o senso de moda não está muito atrás. Talvez eu estivesse sendo um pouco dura demais na nova versão do Meio-Oeste de Nova York, mas ela simplesmente não era como as cidades metropolitanas que eu estava acostumada.

Para ser justa, eu estava sentindo falta de Paris. E Las Vegas. E dos predadores africanos.

Apenas não havia muito para eu fazer em Chicago a não ser aprender a arte sutil e ilegal da falsificação.

Até mesmo o tempo com Vasily e Lena foi tenso porque elas estavam muito ocupadas com a máfia. Agora que a Itália estava livre de Mussolini, a máfia italiana e os Volturi estavam tentando interferir novamente com a máfia americana. Isso não seria bom.

Assim, durante quatro meses, eu fiquei no porão de uma gráfica antiga observando e aprendendo como fazer documentos perfeitos de um jovem e muito nervoso imigrante alemão chamado Hanz. O únicos intervalos que eu tomei foram para comer regularmente (Ivan realmente não queria Hanz se tornasse a minha refeição) e para celebrar o Natal e o Ano Novo com Vasily e Lena. O resto do tempo, eu ficava no porão úmido aprendendo o negócio ilegal, que era vital para um clã estabelecido.

Eu tinha de admitir, Hanz era absolutamente brilhante, e um professor muito bom, mas isso era tão entediante.

Para um vampiro como eu, ficar dentro de casa e fazer papelada era quase uma tortura. Eu tinha tanta energia e um desejo de me divertir. Muitas vezes me perguntava o quanto da menina da escola eu tinha herdado de Emily. Segundo Hanz e Ivan, eu podia reclamar assim como qualquer criança, e tenho certeza que eu peguei isso dela. Eu teria ficado com raiva de adquirir um hábito tão ruim, mas me lamentar realmente funcionava.

Hanz era um monótono e pequeno homem do norte da Alemanha. Seu cabelo era tão louro que não tinha cor, e sua pele era tão pálida que parecia de alguma forma também sem cor. Na verdade, à distância, ele poderia ter sido tomado por um vampiro.

Normalmente, a habilidade de imitar as curvas ornamentadas e decorações que cobriam os documentos oficiais levava anos para dominar, mas com os meus olhos e minhas mãos firmes como pedras, eu dominei o ofício em questão de semanas. Naturalmente, ter um diploma em arte ajudava, o que eu adorava lembrar Vasily e Lena em cada oportunidade.

Fiquei espantada com a forma como era fácil até recriar ou simplesmente roubar os formulários necessários, e então preenchê-los com qualquer informação que fosse precisa. Eu mesma ajudei a criar uma identidade totalmente nova para um membro recém-chegado da máfia e, em seguida invadia os tribunais necessários para colocar os originais falsificados nos arquivos.

Benedict Alfonso de Fortuno se tornou Benjamin Alfred Gerabaldi para começar sua vida nova aqui. No momento em que estávamos acabando de falsificar e plantar os documentos falsos, ninguém jamais seria capaz de dizer que ele não nasceu aqui em Chicago.

Infelizmente, eu tinha dado a um assassino uma nova identidade que não poderia ser descoberta.

O homem era totalmente vil e repugnante, então eu também coloquei um bilhete anônimo no correio da recém-criada unidade do FBI. Talvez eu estivesse errada de julgá-lo, já que eu tinha feito minha parte de mortes, mas ele gostava daquilo. Eu matei por comida, e ele matava por prazer, e eu não podia suportar a idéia que eu o tinha ajudado. Eu esperava que o FBI pegasse o monstro assassino antes que eu colocasse minhas mãos nele.

É claro, o meu próprio lado assassino estava mais do que disposto a assumir a responsabilidade de livrar a terra dele.

O episódio inteiro foi enlouquecedor, mas também mais educativo do que eu jamais sonhava. Enquanto estive nos tribunais, eu era capaz de ver como eles arquivavam, carimbavam e autenticavam quase tudo o que era necessário para uma identidade. Plantar uma identidade era muito mais difícil do que apenas criar uma, mas ambas tarefas eram trabalhosas.

Fiquei admirada com os poucos humanos que eu conhecia que faziam esse tipo de trabalho tão bem. Eles eram verdadeiros artesãos, e aquilo me fez pensar por que tais homens talentosos gastavam tanto tempo e energia ficando trancados em prédios e porões fazendo um trabalho maravilhoso que poderia colocá-los na prisão.

Durante o último dia eu estava planejando ficar com Hanz perguntei a ele exatamente isso.

“Não sei”, ele disse em alemão enquanto seus ombros se curvavam sobre um bloco de gravura. Mesmo que ele ainda era jovem, ele estava permanentemente curvado de tantos anos de trabalho com lupas e ferramentas de joalheiro. “Talvez porque isso seja como arte e eu queria muito ser um artista quando eu era jovem.” Ele olhou para mim com os óculos de joalheiro e então, olhou rapidamente para outro lado. Ele não conseguia me aguentar. Se ele tivesse mais maturidade, tenho a certeza de que ele teria se recusado a me ensinar ou até mesmo me deixado ficar na pequena sala escura com ele. Embora eu realmente não poderia culpá-lo.

“Sabia que eu pintei paisagens na Alemanha para ganhar dinheiro para ir à escola?” ele perguntou, sem olhar para cima. “Algumas das minhas pinturas ainda estão aqui, contra a parede no corredor. Você pode ir e vê-las.”

“Você pinta? Paisagens? Por que você escolheu estar aqui no porão se você pode pintar? Você não se cansa de estar aqui em baixo, onde você não pode ver nada lá fora?” Ele simplesmente deu de ombros, mas não disse nada quando fui para o corredor úmido para achar a sua arte. Elas estavam encostadas na parede sob a escada.

Elas eram inacreditáveis.

A arte dele era brilhante, colorida e cheia de vida. Ele tinha de alguma forma conseguido captar movimento em seu trabalho, algo que eu achava difícil de se fazer, e a impressão geral era de um mundo vibrante e saudável. A razão de ele estar agora vivendo em um buraco e fazendo trabalhos manuais para bandidos estava além de mim.

“O que diabos você está fazendo nesse buraco infernal quando você pode fazer arte como essa?” Eu perguntei enquanto voltava para a sala.

Ele sorriu amargamente mas não olhou para mim. Ele realmente não gostava de olhar para mim.

“Eu era estudante em Düsseldorf quando Hitler tomou o poder. Minha família era Mennonite, uma pequena seita cristã que não permitia riqueza ou guerra, então quando Hitler começou a militarizar a Alemanha, nós não éramos mais bem vindos lá. Uma noite, um bando de jovens veio até a nossa fazenda e queimou todas as casas, assustou nossos animais, e roubou tudo o que tínhamos. Minha família e eu tentamos chegar à qualquer porto para encontrar um barco, mas nós conseguimos chegar à Holanda antes das forças do Hitler chegarem. Nós fizemos o que podíamos para continuar vivos. Uma noite, meus pais me arrancaram da cama e correram comigo até o oceano onde um pequeno barco esperava. Eles tinham comprado passagens para saírem da Holanda, e eu fui relutantemente para a Inglaterra para esperar por eles. Eu arrumei um emprego como tipógrafo, mas minhas habilidades artísticas chamaram a atenção de alguns cavalheiros sem escrúpulos, que pagavam bem. Depois de um ano, eu fui contrabandeado para Chicago para trabalhar como falsificador.”

“Eu não fui criado para fazer esse tipo de coisa,” ele disse triste, “mas o que mais há para mim?”

Então, seus olhos azuis pálidos se prenderam nos meus. “Então, minha pergunta para você é, porque você faz essas coisas?”

Quem eu era para falar para ele que eu estava eternamente morta e precisaria fazer minhas próprias identidades pelo resto da minha vida? Que eu era de longe, muito pior que um falsificador? Que eu era de alguma forma melhor que ele?

“Eu estou sozinha,” eu comecei devagar. Essa era, talvez, a coisa mais verdadeira sobre mim. “Eu não tenho uma família, então eu faço o que eu posso para me tornar o melhor que posso ser.” Isso era, até então, ainda verdade. “Por razões que eu não posso te contar, eu não tenho um sobrenome e documentos para uma identidade verdadeira, então eu preciso dos serviços daqueles que criam identidades. Eu estou aqui para aprender como fazer isso perfeitamente, como você faz. Eu acho que eu também não fui criada para fazer essas coisas, mas eu não me lembro.”

“Você não sabe quem você é?”

“Eu não sei quem eu era,” eu disse com um sentimento muito estranho de orgulho que passou por mim, “mas eu sei quem eu sou. Eu sou Alice, atualmente Alice Stoker. Eu sou uma artista, eu amo criar e vestir roupas, e eu amo dar festas para fazer as pessoas felizes, eu gosto de fazer as pessoas felizes – talvez demais – mas é minha melhor característica. Eu amo estar cercada de pessoas e observando-os. Eu sou a Alice que está esperando meu amor me encontrar. Eu sou Alice, e eu sou uma boa pessoa.” Eu percebi, quando eu terminei que eu não estava mais falando para ele, mas para mim mesma.

Quando eu olhei para ele, seus olhos azuis seguravam um olhar penetrante.

“Eu faço o que eu preciso fazer para sobreviver,” eu terminei.

“Assim como eu,” ele disse sem graça. “Eu espero fazer dinheiro o suficiente para mandar para minha mãe em breve. Eu quero dar à ela um bom lar aqui.” Ele se virou de volta para seu trabalho e respirou fundo. “Quantos anos você acha que eu tenho?” Ele perguntou calmamente.

“Eu não sou muito boa para julgar idade,” eu respondi honestamente. Ele parecia ser velho e curvado, mas meus sentidos me disseram que ele era um tanto jovem.

“Eu acabei de fazer vinte.”

De repente, outra visão desse homem passou brevemente pela minha mente. Ele ainda estava sentado encurvado, mas dessa vez, estava inclinado sob uma mesa de desenho com dúzias de cartoons feitos à mão à sua frente. Eu podia vagamente distinguir um grande conjunto de orelhas de rato em um deles.

Essa é a vida que ele deveria ter. Ele nem era um adulto direito, mas ainda assim parecia como se tivesse mais de quarenta anos de idade.

“Se eu pagar por suas despesas, você gostaria de ir à Califórnia para trabalhar em um estúdio de desenhos animados lá? Seu talento deveria ser bem adequado para um cartunista.” Se eu pudesse ajudá-lo a sair desse ramo de trabalho, eu iria.

“Eu nunca trabalhei como cartunista.”

“Mas você se sairia tão bem quanto um,” eu insisti. Parecia como se eu estivesse novamente convencendo Emily a sair da concha; frustrada e inspirada ao mesmo tempo.

“Você é muito agressiva. Eles nunca vão contratar um rapaz sme documentos da Alemanha, que não tem treinamento nessa arte,” ele cuspiu, nervoso.

“Você não precisa vir da Alemanha. Nós podemos fazer para você uma identidade de um cidadão da Holanda. Nós podemos te dar um diploma de uma escola na Europa, eles não saberão a diferença, e então você vai poder se tornar o artista que você quer ser.” Eu disse com uma risada fervorosa. Eu estava quase transbordando.

De repente, o jovem homem emergiu do velho, cansado e curvado que eu havia visto.

“Você faria isso por mim? Por que?” Um sorriso verdadeiro estava brincando nos cantos dos lábios dele.

“Porque eu não posso mudar o que eu sou, mas eu posso te ajudar a mudar o que você se tornou,” eu disse com a paixão que agora eu sentia.

Ele olhou para a parede branca por muito tempo e então se virou para mim com um olhar decidido.

“Eles vão me matar se descobrirem, mas eu prefiro morrer tentando libertar a mim e à minha família do que ficar nessa vida.”

“Esse é o espírito,” eu sorri de volta. “Agora, nós todos precisamos fazer para você e para sua família um conjunto perfeito de identidades, e então colocar você em um ônibus e então em um barco. Uma vez que você estiver em L.A., você pode se esconder na cidade e ninguém jamais te encontrará. Eu também preciso de uma nova identidade, então porque não fazer todas as três de uma vez? Eu vou te ajudar a terminar seu trabalho aqui primeiro, e então nós poderemos iniciar sua nova vida.”

Vasily iria me matar, mas nesse momento isso não importava. Se eu pudesse parar de ser parte de uma história de terror, e uma trágica história nesse ponto, eu podia pelo menos impedir esse jovem de ser parte da história de um crime.

Demorou quase três dias para criar as identidades perfeitas e produzir históricos também perfeitos, mas quando nós tínhamos terminado, não havia ninguém capaz de dizer que eles foram forjados. Eu estava muito orgulhosa do trabalho que eu tinha feito com eles. Eu até reproduzi meu histórico da faculdade para que ele mostrasse o novo nome que eu estava assumindo, Alice Cullen. Eu não queria usar a nova identidade por pelo menos dois anos, mas era basicamente útil tê-la prontamente disponível.

Hanz se tornou Gustav Von Drenken, nascido em Holland e imigrado para os Estados Unidos em 1940.

Durante os três dias de trabalho intenso, Hanz se tornou um novo homem. Ele me contou sobre sua infância e sua linda casa, e sobre seus sonhos. Eu sabia que sua vida era singularmente insignificante comparada à minha existência eterna, mas novamente, a habilidade de ajudar um humano a viver bem era tão realizadora que não importava.

No dia quatro de Janeiro, Hanz enviou um grande pacote para a família dele e então Gustav Von Drenken embarcou em um trem com punhado de documentos e dinheiro que eu dei para ele iniciar sua nova vida.

Enquanto o trem se distanciava, eu vi, ainda muito vagamente, outro trem parando na estação ensolarada e um pequeno grupo de pessoas saindo. Então eu o vi abraçar sua mãe.

Eu ri o tempo todo em que pulverizei a gráfica com a arma de fogo. Eu até mantive o pequeno sorriso no rosto enquanto eu oh, muito cuidadosamente derramava gasolina por todo o prédio, e colocava fogo nele. Seria muito mais fácil viver com Vasily e Ivan se parecesse que Hanz tinha desaparecido em uma das muitas máfias de Chicago. Já se supunha que eu tinha partido, então eles, esperançosamente, nunca suspeitariam de mim. Pelo menos eu não vi isso no meu futuro.

Eu corri direto para Nova York para terminar de criar a nova vida do Hanz. Demorou apenas dois dias para plantar os novos cartões de imigração no edifício federal em Nova York. Enquanto eu estava lá, eu tentei procurar pelo nome do Carlisle, mas ele deve ter sido imigrado antes que os relatórios fossem guardados, porque não havia registros de Carlisle Cullen entre as fileiras e fileiras de pequenos cartões brancos. Então, eu segui para New Hampshire para passar algum tempo relaxando e lendo, e tentando ver membros da família que eu ainda não conhecia.

Eu não fui para perto das camas. Eu tentei vê-los do sofá da sala de estar, e dessa vez, eu obtive muito sucesso. As visões estavam mais claras, mas ainda difíceis de ver.

Eu vi claramente Carlisle no hospital em algum lugar, mas eu não conseguia identificar o nome do lugar no seu jaleco. Ainda assim, vê-lo em um hospital eram provavelmente o melhor jeito de encontrá-los porque se eu pegasse o nome do lugar, então eu poderia achá-lo.

Edward também estava vestindo um jaleco branco, por cima de um par de calças e um suéter que não combinavam. Ele parecia entrar entre corpos em um necrotério ou sala de aula. Ele também pretendia ser médico?

Rosalie e Emmett estavam na escola novamente. Rosalie estava deslumbrante em suas roupas exageradas, e ela estava sentada perto do Emmett, que parecia ter apenas camisetas de algodão e macacões em seu guarda-roupa.

Esme estava em uma nova casa com as mesmas roupas velhas e o cinto de ferramentas.

Sério, a família toda precisava de mim, para melhorar o senso de moda deles, e nada mais. Rosalie era a única que tinha bom gosto, e ela tendia a exagerar nos seus estilos. Nenhum dos outros nem mesmo tentava conseguir novas roupas ou modernizar seus estilos, era um total absurdo que pessoas tão lindas se vestissem tão ultrapassadas. Eles eram vampiros tão caretas.

Eu certamente iria preencher uma necessidade na minha família adotiva, se um dia eu os encontrasse.

Eu também peguei alguns vislumbres muito imprecisos deles em algum lugar tropical. Parecia que Carlisle trabalhava com pessoas carentes na América do Sul. Talvez. Era muito difícil de dizer, mas eu podia vê-los jogando e nadando nas águas azul escuro do oceano perto de uma ilha indistinta.

Então eu vi, tão fracamente que eu quase não podia perceber, sete vampiros correndo pela floresta e chegando nessa cabana. Eu podia apenas distinguir a minha pequena figura correndo ao lado de Jasper. Ele era mais alto do que eu pensava. Os vampiros estavam eram uma risonha família feliz, e eu silenciosamente sofria para me juntar à eles.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s